sábado, 26 de outubro de 2013





Parabéns - Nosso Mentor Zeferino

Zeferino foi seu nome quando viveu sua última encarnação na Terra, mais precisamente, no estado da Bahia. Homem alegre, que vivia de qualquer trabalho em qualquer lugar, pois teve vida simples sem nenhuma ambição. Muito vaidoso, e namorador, se vangloria em dizer que “povoou a Bahia”. Conhecedor dos rituais de candomblé freqüentou várias casas com várias funções e responsabilidades. Era exímio lutador de capoeira, sabedor da arte que sucumbiu aos golpes fatais desferidos pelo filho da única mulher que realmente amou. Por volta de 1919 foi enterrado em vala comum, que com o passar do tempo foi esquecida. Diz nosso amigo, que ficou em volta de seus ossos quase vinte anos, assombrando quem por perto passasse.

A libertação desse espírito ocorre com a força das preces que faziam numa casinha humilde, por época do dia de finados de 1939. Essas preces por todos os espíritos em sofrimento encaminhou nosso amigo que se firmou nos ensinamentos da corrente de Santo Agostinho. A partir daí começou seu aprendizado para retornar à Terra e ser mais um mensageiro do plano astral. Recebeu como missão primeira, por volta de 1953, acompanhar e incentivar um pequeno grupo espírita kardecista em Santa Catarina, onde se apresentou como caboclo Zeferino cumprindo um trajeto de aconselhamento aos simples que ali chegavam. Em 1954, recebeu como missão me acompanhar. Sua primeira manifestação espiritual ocorreu quando tinha nove anos de idade, e aí sendo tão imatura e despreparada, foi realizado um trabalho espiritual para que se aguardasse melhor tempo com mais maturidade física.

Em 1972, recomeçavam as manifestações espirituais, numa época conturbada e dentro de um centro de Umbanda. E desde esse tempo até os dias de hoje passados 41 anos, foi o espírito desse Baiano que me aconselhou, acompanhando a adolescência, meu casamento, a vinda dos meus filhos e agora meus netos. São inúmeras as bênçãos que recebi as palavras de conforto que recebo até agora. Aprendi com esse amigo praticamente toda uma enciclopédia de saber, conheci a força dos orixás, entendi o porquê dos rituais e como direcionar energias. Aprendi a ter tolerância, paciência e perceber os ciclos que acompanha tudo na vida.

Hoje sabemos que sua evolução espiritual prosseguiu e está com os guias de Quarto Grau por opção, e sua vibração é a de Caboclo de Ogum de Lei.



AGRADEÇO SINCERAMENTE A DEUS PELA SUA COMPANHIA!

MEU QUERIDO AMIGO, QUE ME CONHECE E SABE O QUE SINTO, EU TE AMO !

CONTINUE ME ACOMPANHANDO E ME AMPARANDO NESTA JORNADA PELA ETERNIDADE. 

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Ponto de Cigana - Numa cabana florestal, apareceu uma linda cigana... (+...

A Pemba

Repassando.

A MAGIA DA PEMBA - TEMPLO DE UMBANDA CAMINHO DA FÉ

Pode-se afirmar que a Pemba é um instrumento Sagrado da Umbanda, Pois nada se pode fazer com segurança sem os Pontos Riscados por ela. A Pemba é confeccionada em Calcário e modelada em formato ovóide alongado e serve para ao riscar um ponto, estabelecer Ritualisticamente o Contato Vibratório com as Energias Astrais. A Pemba serve também a outras determinações ordenadas pelos Guias, muito utilizada na mistura com outros elementos a fim de promover limpeza áurica no ambiente e nos médiuns durante a abertura dos trabalhos mediúnicos. A Pemba pode ser encontrada nas mais variadas cores, as quais são utilizadas pelas entidades ou pelo sacerdote de acordo com o que se deseja obter. 
Na antiguidade, os velhos magos, experimentados e tarimbados na magia etéreo-física, preparavam a pemba, numa mistura homogênea de certos elementos minerais e vegetais da Natureza, que depois eram imantadas e consagradas, tornando-se poderosos instrumentos na magia. Hoje, raros são aqueles que conhecem a verdadeira confecção de uma verdadeira Pemba. As que se encontram a venda nas casas do ramo são somente feitas de calcáreo, desprovidas de todos os materiais necessários à sua efetivação magística. Quando um Guia Espiritual, verdadeiramente incorporado pega uma Pemba na mão, esta, imediatamente torna-se imantada e pronta para o uso Magístico; quando acaba de utilizá-la, volta a ser simplesmente um Pemba comum. Conceitos de Pontos Riscados Para o Umbandista, o ponto riscado é um instrumento precioso para os trabalhos magísticos efetuados pelas entidades espirituais; afinal de contas ele possui um grande significado e valor magístico. Muitos pontos riscados pelas entidades espirituais, são selos, o cartão de visitas, a identificação, o brasão e a bandeira da entidade. É uma espécie de campo de forças onde o instrumento utilizado pelas entidades em seu efetivo campo de trabalho é a Pemba. E esta maneja as forças de sorte a lhe conferir afinidade com a entidade, identificando a quem ela se subordina, bem como os seus domínios ao ser usado para riscar o ponto. Muitos pontos riscados são ordens efetuadas aos elementais da Natureza, bem como às forças cósmicas, formando todo um plano de ação e reação. 
Os pontos riscados são verdadeiros códigos registrados e sediados no mundo espiritual. Eles identificam poderes, tipos de atividades e os vínculos iniciáticos das falanges. Quando são traçados sem conhecimento de causa, não projetam sua grafia luminosa e não passam de rabiscos inócuos. Como podemos ver, os pontos riscados são magias, portanto para se utilizar deles é necessário ter os devidos conhecimentos. Riscar um ponto de trás para frente é inverter ou perverter a força da magia. Portanto não basta ver um ponto num livro ou numa apostila para riscá- lo sem o devido conhecimento. O mau uso do ponto riscado pode levar a conseqüências imprevisíveis, comparáveis as de um leigo em assuntos de eletricidade, entrando numa casa de força e pondo-se a manejar as chaves ou embaralhar os fios, com o que acabará por provocar curtos circuitos, incêndios e eletrocussões em si e nos outros. O ponto riscado pode ser usado, dependendo do trabalho ou cerimônia a ser realizada, utilizando Pemba, Fundanga (pólvora), Ervas, Pedras e outros elementos naturais, com o ponteiro na areia, e até mesmo mentalmente, o que requer muita prática. Mas lembre-se: só se utiliza pólvora e Bebida alcoólica aliada a pontos riscados, com autorização superior. 
Quanto ao uso da Pemba, estude o sentido e o valor das cores. Só utilize a Pemba Preta aquele que for autorizado para tal. Na Umbanda o mais usual é o trabalho com Pemba Branca, Azul, Verde, Rosa, Laranja, Roxa, Lilás, Amarela, Vermelha, etc. Lembrem mais uma vez, que todo ponto riscado é magia, com toda simbologia de sua grafia e ondas vibratórias. Por exemplo, a suástica como símbolo sagrado, cuja utilização data de tempos imemoriais, símbolo este utilizado até mesmo pelos Papas da religião Católica, teve suas ondas invertidas pelos pseudo-arianos e como símbolo, acobertou e direcionou a Segunda Guerra Mundial. É interessante também observar que, quando um filho de Umbanda se apresenta perturbado dentro de um templo, muitas vezes notamos um Guia Espiritual (ou mesmo um sacerdote gabaritado) cruzar seu corpo com Pemba. Isso representa a Escrita Divina, através da magia para chamar à razão a entidade obsessora, afim de que ela possa conhecer por meio deste traçado cabalístico, o seu erro e abandonar esse filho que até então obsedava, como também riscar um ponto de proteção ao filho. Assim pode-se afirmar sem sombra de dúvidas que sem os pontos riscados nada se poderia fazer com segurança na Umbanda. O que devemos ter cuidado é quando achamos que somente basta riscar setas, ondas, sol, lua, círculos, quadrados, espirais, estrelas (de todas as pontas), raios, etc, que estaremos riscando a Lei de Pemba em sua totalidade. Ledo engano. Ali esta impresso um grafia geométrica sagrada, funcional para certos aspectos, mas somente uma grafia geométrica (tão bem explanada pela radiônica e pela Cabala Hebraica), mas nunca a Lei de Pemba em sua amplitude. Não basta olharmos um ponto riscado e simplesmente dizermos: Esse Ponto é da vibração de Yansã, Ogum e tem Yemanjá também. Ou mesmo dizer: O Caboclo que riscou o ponto é de Oxossi; tem Xangô e Omulú. Pergunto: Pra que? Por que? O que quer dizer? Que ordem esta emanando? Que forças estão sendo ordenadas e comandadas? Complicado né. Portanto, não não é seguro riscar Pemba a torto e a direita, achando estar investido de forças celestes, para realizar atos magisticos que você mesmo não é conhecedor.