terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Boas Festas

A Casa Branca de Oxalá vem em nome de seus Pais de Terreiro, seus filhos, fiéis e amigos, desejar-lhes um  Ano de 2011 repleto de paz , harmonia e saúde.
Mãe Maria

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Beijamim Figueiredo ( Tenda caboclo Mirim )

O LEGADO DE BENJAMIN FIGUEIREDO -






INTRODUÇÃO

Escrever sobre Benjamin Gonçalves Figueiredo não é apenas falar do homem e do médium, porque sua vida se mistura com a mensagem e com a obra de seu mentor espiritual, um dos mais importantes dirigentes espirituais da Umbanda: o magnífico Caboclo Mirim. Ambos serão para sempre um exemplo edificante de amor ao próximo e de luta pela dignidade do culto umbandista.
Em um momento histórico-cultural difícil para a Umbanda, Benjamin Figueiredo foi um dos principais expoentes no movimento pela evolução do culto e pelo reconhecimento das casas umbandistas junto às autoridades de seu tempo, estando lado a lado de alguns dos incansáveis guerreiros dos primeiros anos da nossa querida Umbanda, tais como Zélio Fernandino de Moraes, Domingos dos Santos, João Carneiro de Almeida, José Álvares Pessoa, Manoel Nogueira Aranha, João de Freitas, Cavalcanti Bandeira, Cícero Bernardino de Melo, Narciso Cavalcanti, Félix Nascente Pinto, Jerônimo de Souza, Henrique Landi Júnior, Matta e Silva, Tancredo da Silva Pinto, Átilla Nunes (pai), Omolubá, Flavio da Guiné, dentre outros.
Por toda uma vida voltada à unificação dos umbandistas, Benjamin Gonçalves Figueiredo deixou registrada em nossa memória as lembranças do incansável líder, do médium admirável de Caboclo Mirim e de Pai Roberto e do homem cuja integridade e ideais em muito superaram os seus dias, nos trazendo até os dias de hoje os ecos de uma bela mensagem de fé e de determinação em tirar a Umbanda da marginalidade a qual esteve relegada pela sociedade brasileira até meados do século passado.

                                                  
                                              A ANUNCIAÇÃO DA UMBANDA
Há cerca de 20 anos após a proclamação da República, a sociedade brasileira vivia profundas transformações, ainda em busca de sua personalidade, de sua “brasilidade”. No mundo das artes, por exemplo, um grupo de artistas revolucionava a estética e a linguagem na Semana de Arte Moderna de 1922. Esse sentimento nacionalista viria também a se manifestar na política, com a ascensão de Getulio Vargas ao poder, já na década de 1930. Era o fim da hegemonia da elite agrária e a implantação do Estado Novo.

A característica mestiça da população brasileira passava a ser valorizada, tida como forma de união da nação. Por essa visão, os vários grupos raciais ganhavam igual importância na formação da civilização brasileira. Esta ideologia ajudou na crença de que o preconceito racial não existia no Brasil. Gilberto Freyre, em seu livro "Casa Grande e Senzala" (1933), foi um dos intelectuais que deram suporte a tal tese.
Até o samba, manifestação cultural oriunda da cultura negra brasileira, era redescoberto e reformatado, levado a um universo mais amplo: brilhava a estrela de Carmem Miranda!
E dentro deste contexto nacional, um fato marcante, para aqueles que se propõe a estudar as origens da Umbanda, veio a consolidar-se como o marco inicial da religião: a famosa manifestação do Caboclo das Sete Encruzilhadas em 1908, através do seu médium Zélio Fernandino de Moraes (1891-1975), na cidade de Niterói, então capital do antigo estado do Rio de Janeiro. A data, 15 de novembro, é a mesma da comemoração da proclamação da República brasileira. Coincidência?
Diante de uma respeitada e organizada Federação Espírita Brasileira, Caboclo das Sete Encruzilhadas pôde deixar registrada a definição do novo movimento religioso: "Uma manifestação do espírito para a caridade”. Caridade, a principal lei da Umbanda, religião do amor fraterno em benefício dos irmãos encarnados, qualquer que fosse a cor, a raça, o credo e a condição social. Continua...

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

BATISMO

A casa Branca de Oxalá, vai celebrar o Batizado de Quinze crianças, hoje dia 01/12/2010.
Que sejam muito bem vindas na nossa Casa.
Abaixo transcrevemos o Ritual do Batismo.
Fraternalmente Mãe Maria


LITURGIA DO BATISMO

======== Neste momento os batizandos entrarão no Templo, junto com pais e padrinhos, e serão recebidos pelos presentes com um ponto especial ao som de palmas:

HOJE É DIA DE NOSSA SENHORA...

UMBANDA É FORÇA MEU PAI...

========Inicia-se o ritual da mesma maneira que se inicia a sessão. Abre-se a gira, com a defumação de todos, cantando a seguir para o Tronqueira, seu Miromba, para os Exus da Casa, e assim por diante, até o cruzamento do terreiro. Após o cruzamento, virá o guia chefe da casa e os outros sacerdotes fazem o Batismo.

Pelo batismo, o nosso Espírito toma consciência de que tem dentro de si a Centelha Divina e que a mesma é proveniente dessa Santa Trindade. O batismo nos dá a consciência de que somos filhos do Pai, irmãos de Cristo, e que nosso corpo é o templo dos Orixás. O batizado deve também ensinar-nos a viver, nos limites de nossa natureza. Reunidos pela Santa Trindade, e por isso responsável pela União de todos os irmãos em nome de Oxalá.

O Ritual do Batismo inicia-se pelo nome. O nome exprime a identidade pessoal a ser reconhecida pelos outros, chamada a colocar-se a serviço de todos seus irmãos em Cristo. No batismo, reconhece-se oficialmente o nome da criança.

=========O celebrante pede aos pais que falem, em voz alta o nome das crianças. ............................. Por isso, cada ser humano é um ser único, diferenciado, tanto no que tange à matéria na qual o espírito está encarnado como no tocante ao próprio espírito. O nome equivale à própria pessoa. O nome, em outras palavras, pode e na maioria das vezes determina a missão do ser neste mundo e a sua própria história espiritual.

========O celebrante falará aos batizandos chamando-os pelo nome:

“RAFAELA, DANTHER, ADRIAN, ALAN, MARIA EDUARDA, YARA, FERNANDA, MATHEUS, RODOLFO, ALEXIA, JOÃO FRANCISCO, SAMUEL, CAUÃ, LUDIMILA E GEOVANNA e dizer em seguida:

Você no futuro deverá, quando já independente, ser aceito com suas próprias idéias, com seus sentimentos e sua maneira de ser. Mas, durante a sua infância e adolescência, e em especial nos seus sete primeiros anos, cabe ao seu pai, à sua mãe e aos seus padrinhos, cuidarem da sua formação espiritual, pois esses ensinamentos dados na época certa serão, sem nenhuma dúvida, a base do seu caráter. Por isso, quando os pais pedem o batismo para seus filhos, estão assumindo o compromisso de educá-los na fé Cristã e propiciar aos filhos a convivência com a religião. No cumprimento deste compromisso de educar seus filhos na fé, os pais são ajudados pelos padrinhos.

========A seguir o celebrante inicia o cruzamento com a Pemba. O cruzamento com a Pemba simboliza o pertencimento, do batizando, à religião Umbandista Cristã. O sinal do cristão é a cruz de Cristo. Quem é marcado com a cruz tem a Centelha Divina dentro de si e é, portanto filho de Deus.

Eu te cruzo com esta pemba Sagrada, para que você tenha paz, saúde e possa vencer todos os seus desafios.

Que esta pemba traga até você toda sua energia benéfica afastando todos os males que possam te atingir

========A seguir, o celebrante derramará sobre a cabeça a água do Batizando, repetindo seu nome e explicará a todos.

A água é o símbolo de todas as emoções. Essa água que agora derramo na sua cabeça é o símbolo da vida espiritual. E o renascimento de seu espírito para a vida Terrena. Que ela seja plena de harmonia amor e paz. Que Obatalá, Oxalá, e todos os Orixás te abençoe, hoje e sempre.

========Neste momento o celebrante começa a unção do batizando com o Óleo Bento e será cruzados fronte, testa, nuca, Chacra Coronário, Plexo Solar, mãos e pés do batizando.

Este Óleo significa a presença, em você da energia de todos os Orixás. Ele significa que você buscará, ao longo de sua vida, ser um elemento irradiador das energias benéficas dos Orixás. Este óleo significa a força que você, terá para e pela fé Umbandista, vencer todo o mal que possa chegar a você e lapidar a Centelha divina para alcançar sua Luminosidade.

========Neste momento o sal é colocado na boca do Batizando.

O ritual de batismo, na Umbanda, em que cristais de sal são colocados nos lábios dos recém-nascidos, o sal toma o sentido de sabor da vida, da sabedoria, da aliança com Olorum. Por isso, Cristo fala “vós sois o sal da terra (Mat. cap. 5 v.13)”, ou seja, vocês terão o sabor necessário, a sabedoria exigida para todos que perto de você chegar possa ser transmitido à palavra viva do amor e caridade. Pois o sal é o símbolo da sabedoria e da religiosidade e do poder das palavras de Cristo.

========Neste momento os padrinhos acendem a vela que está em sua mão na vela que está na mesa.

A vela representa a luz espiritual, pois como disse Jesus aos seus discípulos quando os mandou pregar: “Vós sois a luz do mundo... Assim brilhe a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras" (Mt 5,14-16), e para que todos nós possamos ascender nossa própria luz.

Vocês, como filhos de Deus, portadores da Centelha divina Façam com que esse batismo possa levar a todos a Responsabilidade de indicar a luz a um espírito e que suas obras sirvam de bom exemplo por onde você passar. Assim, como a vela tende a difundir em torno de si a sua luz e o seu calor, também você, umbandistas, cristãos, pelo batismo, deve difundir em torno de si o Reino de Deus.

COMPROMISSO DOS PAIS E PADRINHOS FRENTE À UMBANDA

Nós, Pais e Padrinhos e Comunidade, nos comprometemos a estarmos juntos de vocês, em todos os momentos, de sucesso e dificuldades em sua vida, pois é nossa responsabilidade primar pela sua evolução é de fazer com que você caminhe sempre na direção de Deus, no sentido de seu crescimento espiritual. Para isso, devemos fazer prevalecer entre nós e você o amor e o respeito, dando-lhe a certeza de que sempre nos terá a seu lado, orientando-o e apoiando-o em sua caminhada, pois este é um compromisso que, vindo de vidas anteriores, se manterá em nossas vidas futuras, e este compromisso se estenda por toda esta comunidade da Casa Branca de Oxalá.

Sacerdote- QUEREMOS DESTACAR QUE A UMBANDA RECONHECE A SUA PRESENÇA NO MUNDO, ONDE VOCÊ ESTÁ PARA UM CAMINHO DE PAZ E UM TRABALHO DE HARMONIZAÇÃO A FAVOR DOS SERES HUMANOS COM QUEM VOCÊ CONVIVE E CONVIVERÁ

QUE A INSPIRAÇÃO DIVINA ESTEJA SEMPRE EM SUA MENTE E QUE AS BENÇÃOS DE OLORUM, OXALÁ, TODOS OS ORIXÁS E TODAS AS ALMAS QUE TANTO NOS AMPARAM E AJUDAM O AUXILIEM EM SUA SUBLIME MISSÃO.

Aqui termina o ritual com cânticos de elevação umbandista.

REFLETIU...

QUANDO EU VIM NA UMBANDA...

LÁ NO CÉU UMA LUZ BRILHOU......

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

VELAS

O ato de acender uma vela transforma os estímulos visuais da luz da chama em um código que ativa em nossa mente a força do elemento ígneo, o fogo, trazendo com isso o despertar de nossas lembranças mais antigas, de nossa ancestralidade espiritual.

Por exalar o calor, símbolo da vida, a chama da vela possui um amplo sentido, despertando nas pessoas esperança, fé e amor.
A chama da vela é capaz de irradiar ondas imperceptíveis aos nossos olhos, mas que fluem em determinada vibração. São ondas eletromagnéticas sutis, que geram magia sutil. Portanto, ao acender uma vela estaremos efetuando um ato magístico e enviando energias sutis ao Cosmo.
A vela é, com certeza, um dos símbolos mais representativos da Umbanda. Ela está presente no Congá, nos Pontos Riscados, nas oferendas e em quase todos os trabalhos de magia.
Quando um Umbandista acende uma vela, está abrindo uma porta interdimensiona l, e conscientemente poderá acessar a força de seus poderes mentais.
A vela funciona na mente das pessoas como um código mental. Os estímulos visuais captados pela luz da chama da vela acendem, na verdade, a fogueira interior de cada um, despertando a lembrança de um passado muito distante, onde seus ancestrais, sentados ao redor do fogo, tomavam decisões que mudariam o curso de suas vidas.
A vela desperta, nas pessoas que acreditam em sua força mágica, uma forte sensação de poder. Ela funciona como uma alavanca psíquica, despertando os poderes extra – sensoriais em estado latente.
Uma das várias razões da influência mística da vela na psique das pessoas é a sensação de que ela, através de sua chama, parece ter vida própria. Embora, na verdade, saibamos, através do ocultismo, que o fogo possui uma energia conhecida como espíritos do fogo ou salamandras.
Se uma pessoa usa suas forças mentais com a ajuda da magia das velas no sentido de ajudar alguém, irá receber em troca uma energia positiva; mas, se inverter o fluxo das energias psíquicas, utilizando – as para prejudicar qualquer pessoa, o retorno são sempre mais fortes, pois voltam acrescidas da energia de quem as recebeu.
Quando acendemos uma vela, a imantamos mentalmente com uma determinada intenção, acompanhada de sentimentos. A vela passa a ser uma fonte emissora repetitiva dessa intenção e sentimento, enquanto acesa. Ocorre por vezes, espíritos sofredores e necessitando de auxilio podem ali se chegarem, tanto para tentar absorver parte dessa emissão, ou na esperança que, se alguém conseguiu ali alguma ajuda ou alivio, poderiam eles também adquirir essa graça. Não que tenham más intenções, mas a simples presença deles, por estarem ainda em desequilíbrio, pode afetar a harmonia do ambiente. Portanto, é bem melhor evitar tal pratica do que estar sempre sujeito a doutrinar constantemente tais espíritos, visto que em nossa casa não é o local propicio para tal pratica caritativa, até por segurança. Explicasse aí as restrições feitas por parte da Espiritualidade que atua junto ao Espiritismo quanto a evocações com intenções de doutrinação em reuniões familiares. O acender velar é uma forma de evocação também.
As velas acesas fora de casa não trazem qualquer problemas de ordem espiritual. Nossos lares, desde que respeitando o mínimo de harmonia e equilíbrio, possuem uma proteção natural advinda da Espiritualidade, que impede o acesso de espíritos ainda em perturbação espiritual de qualquer nível.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

ANIVERSÁRIO DA UMBANDA

Comemora-se, hoje, dia 15 de novembro, o DIA DA UMBANDA. Esse dia nos remete à lembrança alegre do marco no espiritualismo, quando o Caboclo das Sete Encruzilhadas, por determinação do Alto, instaura, organiza e aperfeiçoa o espiritualismo que operava, naquela época, por meio de um mediunismo sem doutrina e disciplina, dando início ao Movimento Religioso de Umbanda. Essa data, portanto, comemora a fundação da Umbanda como Movimento Religioso voltado para a religação do homem com Deus, pelo conhecimento, culto e evangelho.

Infelizmente, apesar dos esforços do Plano Espiritual para elevar o padrão vibratório espiritual dos umbandistas, ainda encontramos, com tristeza, Casas que se dizem de Umbanda, que carecem da falta de doutrina e evangelho, com uma prática infantil de um mediunismo carregado de excessos anímicos fantasiosos, com matanças de animais em seus cultos e ainda arraigados à superstições e crendices. Acredito necessárias ás afinidades e ao momento ascensional evolutivo de alguns irmãos, portanto dignas de respeito e compreensão, mas que nada têm a ver com a Umbanda fundada pelo Sr. Caboclo das Sete Encruzilhadas.

Ficou claro, para quem bem queira entender, soprando da frente a bruma da vaidade, do orgulho, do amor próprio, etc..., que a Umbanda, conforme a implantou o Caboclo das Sete Encruzilhadas no Brasil, comporta avanços no seu entendimento, e a diversidade de escolas doutrinarias, pois ela é uma religião adogmática e aberta a vários tipos de consciências evolutivas. O que nela, na nossa amada Umbanda, não comporta é a permanência na ignorância, nos atavios, crendices e vaidades, pois, de acordo com o Caboclo das Sete Encruzilhadas ela é “a manifestação do Espírito para a Caridade. Não cobrar, não matar, vestir o branco, evangelizar e utilizar as energias da natureza”.

A Umbanda é cristã e, portanto, nela age Jesus sempre e a todo o tempo. As Sagradas Vibrações regidas pelos Orixás, que a Umbanda cultua, são vibrações que emanam das mãos do Cristo Planetário, que, no caso do Planeta Terra, é Jesus Cristo.
Por isso falar de Umbanda sem Jesus é falar de uma seita feiticista e atávica que nada tem a ver com aquela trazida pelo Cab. das Sete Encruzilhadas. O Evangelho do Cristo é o instrumento máximo de reforma íntima e Caminho seguro para a frente e para o Alto, e a Umbanda nasceu para ser, por meio de seus Orixás e Guias, arauto solene desse Evangelho libertador.

Umbanda não é mediunismo, o mesmo é um importante instrumento através do qual ouvimos os nossos irmãos do mundo maior, a nos orientar para o caminho de ascensão e crescimento. Qualquer papel contrário em termos mediúnico trata-se, ou de mistificação por Entidades das Sombras ou psicosomatismo anímico de médiuns sem doutrina e disciplina.

No Livro dos Médiuns, o Espírito da Verdade nos alerta solenemente a respeito da função do mediunato quando nos diz, no cap.XXVII, item 303: “ Os Espíritos vêm instruir-vos e guiar-vos na rota do bem e não na das honrarias e da fortuna ou para atender às vossas pequeninas paixões. Se jamais lhe pedissem futilidades ou o que seja além de suas atribuições, ninguém daria acesso aos Espíritos mistificadores. Do que se conclui que só é mistificado aquele que o merece.
Os Espíritos não estão incumbidos de vos instruir nas coisas deste mundo, mas de vos guiar com segurança naquilo que vos possa ser útil para o outro. Quando vos falam das coisas daqui é por considerarem isso necessário, mas não porque o pedis. Se quiserdes ver nos Espíritos os substitutos dos adivinhos e dos feiticeiros, então sereis mistificados.
Se bastasse aos homens dirigir-se aos Espíritos para tudo saberem, perderiam o livre-arbítrio e sairiam dos desígnios traçados por Deus para a Humanidade. O homem deve agir por si mesmo. Deus não envia os Espíritos para lhes aplainarem a rota da vida material, mas para lhes prepararem a do futuro.”

Isso é de suma importância para nós, adeptos da Umbanda, pois somos também espíritas cujo chão, a base, é o conhecimento racional e científico, e ninguém melhor que Allan Kardec pra nos dar esse suporte, lembrando que, assim como Jesus não é propriedade de nenhuma religião cristã, Kardec não é propriedade de nenhuma organização espírita. A nossa fé não pode ser infantil e vazia, pois, com certeza, um dia nos evadimos para algo mais concreto e preenchedor do vazio de Deus e de conhecimento sobre nós mesmos e sobre a nossa vida pós-sepultura. Infelizmente, o fato da permanência na ignorância, afeitos a crendices, de grupos e dirigentes que se dizem umbandista, provocam a evasão de muitos e muitos “umbandistas” para as seitas protestantes, pela única razão de terem encontrado nessa “umbanda” apenas uma fé infantil e inútil, em supostos mediunismos, e em crendices e superstições que, momentaneamente, enchem os olhos, mas não preenchem o coração.

Ontem estivemos nas festividades comemorativas dos 102 anos de Umbanda que aconteceu na União Espiritista de Umbanda do Brasil UEUB. Foi uma solenidade de muita beleza e emoção. O congraçamento dos diversos Templos Umbandistas, inclusive o Cruzeiro da Luz, cada um com sua diversidade, mas unidos no essencial que é a Umbanda do Cab. das Sete Encruzilhadas. Não é a diversidade de ritos ou escolas doutrinárias seguidas que atrapalha ou cria cisões, é, sim, a vaidade e o orgulho de querer ser o melhor ou o mais importante, ou, o que é pior, a luta para permanecer na ignorância por conveniência ou interesse próprio.

O Umbandista não é o participante de gueto onde pode dar vazão ás suas sandices, vaidades e carências de atenção e afetividade. Ele é uma célula de um mesmo corpo, que embora diferentes e formando órgãos diversos, são necessárias à formação do corpo com um todo, que no caso, é o Movimento Umbandista.

Nessa comemoração, esse era o sentimento que me tomou: irmãos de diversos Templos, com seus rituais, escolas doutrinárias, e atividades específicas, unidos pelo mesmo ideal e pela mesma fé, no cumprimento da mesma missão, a da Caridade, que quer dizer AMOR. Isso significa que a Umbanda tem a missão de anunciar, ensinar e vivenciar o Evangelho do Cristo em sua intensidade, anunciando o Reino de Deus, que está dentro de cada um, na vivência do amor, pois Deus é Amor.

O que é anunciar o Evangelho? É ensinar que Jesus é Amor e é Caminho. Caminhar em Jesus e com Jesus é caminhar sob a Lei de Deus, na busca do aprimoramento e crescimento espiritual.

E qual é a Lei de Deus a vivenciarmos e que os Orixás, Guias e Mentores têm a missão de ensinar? Ouçamos Jesus nos dizer qual é, no Evangelho de Mateus, cap. 22, versículos 36 a 40: “Mestre, qual é o grande mandamentos da Lei? Jesus declarou-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, com toda a tua alma e com todo o teu pensamento. Eis o grande, o primeiro mandamento. Um segundo é igualmente importante: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Desses dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.”

Aí está a missão desse trabalho de parceria entre médiuns e Espíritos (Caboclos, Pretos Velhos, Crianças e Exus), fazer concreta essa Lei, seja através dos bons conselhos e orientações, seja através do uso disciplinado e sério das energias em favor da cura, limpeza e do alívio das dores do próximo.

Se não tiver como finalidade o Reino de Deus, que é a instauração de Sua Lei nos corações, Lei essa que é o amor concreto e vivenciado, a Umbanda perde todo o seu status espiritual, pois foge da finalidade para a que foi criada, “ser a manifestação do espírito para a Caridade”, cujo fruto, é o fruto do espírito, conforme nos ensina o Apóstolo Paulo na sua Epístola aos Gálatas cap. 4, versículo 22: “Mas eis o fruto do espírito: amor, alegria, paz, paciência, bondade, benevolência, fé, doçura, domínio de si mesmo; contra essas coisas não há lei.” Acredito que essa é a verdadeira Lei Sagrada de Umbanda.

Está de parabéns a União Espiritista de Umbanda do Brasil - UEUB, tendo a frente o seu insigne presidente, o pai Pedro Miranda, pelo belo trabalho de confraternização.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Síndrome de Chefe

repassando...
Síndrome de Chefe.
O respeito com as diferenças começa dentro do Congá, parte 2.
Ainda seguindo o raciocínio onde pregamos que o respeito com as diferenças deve começar dentro do nosso terreiro, muitas vezes nos deparamos com o que eu chamo de "síndrome de chefe" ou melhor dizendo, uma doença que atinge aqueles que, cansados de receber ordens dos seus patrões na empresa onde trabalham, resolvem praticar um papel de patrão que nunca foi, dentro do terreiro, perante seus irmãos de corrente, sobretudo com os menos experientes.
O portador da síndrome de chefe, sob a desculpa de estar querendo ajudar a direção da casa, passa o trabalho todo atento as atitudes dos seus colegas, sempre pronto a desferir ríspidos corretivos, broncas e outras "cavaleirisses" (não se trata de um erro ortográfico, é "cavaleirisses" mesmo, de cavalo, não de cavalheiro). Em outras palavras, quer dar uma de chefe que nunca foi, aproveitando-se de sua possível condição de incorporado. Digo "possível" porque esta atitude não condiz com um Guia de Luz, e sim, está no ser errante, encarnados que somos todos.
Claro que a este mal não estão sujeitos apenas médiuns da corrente, mas também dirigentes e sacerdotes, que ao invés de ensinar de forma consciencial, prefere impor suas regras de maneira autoritária.
Este texto escrevi com o intuito de alertar, e claro, não adianta apenas apontar o erro sem dar uma opção de solução, caso contrário estaria repetindo aqui exatamente o que estou condenando.
O que devemos então fazer quando vemos alguma atitude que consideramos errada por parte de um irmão de corrente?
Primeiro: verifique se o ocorrido é realmente relevante, ou seja, se está atrapalhando o SEU trabalho.
Segundo: caso esteja, e/ou ofereça risco aos demais, ao contrário do portador da síndrome, não se dirija ao seu irmão para condená-lo, corrigi-lo e sim leve o caso para o sacerdote, mas leve na mesma hora, para que este possa resolver de imediato. (levar esta informação depois do ocorrido não resolve e é sinônimo de fofoca).
O sacerdote é o único que terá autoridade para orientar sem causar um mal estar entre você e seus irmãos.
Conviver em comunidade é uma arte, é difícil e requer auto crítica. Se desejamos ser médiuns de Umbanda, precisamos respeitar nossos irmãos de corrente e pensar no coletivo, precisamos lembrar que nessa religião não assistimos a missa e sim a celebramos junto com o padre, mas isso já é assunto pra outra oportunidade.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

EXISTE VIDA APÓS A MORTE?

repassando.

Existe vida depois da morte?



As pesquisas científicas indicam que sim, e as religiões também afirmam que, de alguma forma, a vida continua depois desta vida, nem que seja em estado latente, aguardando a ressurreição dos mortos.

Só que aí surge uma questão da mais alta importância: se todos havemos de morrer um dia, como estaremos nesse além da vida? Será que vamos ficar armazenados em algum galpão celestial, aguardando o juízo final? Ou quem sabe, prostrados diante do trono divino, em adoração, pela eternidade afora? Ou talvez sentados no beiral de uma nuvem tocando harpa?

Será que uma natureza dinâmica, como a do ser humano, iria suportar um estado de inatividade, inócuo e vazio, por toda a Eternidade?

São os próprios espíritos que têm dado as mais completas explicações sobre esse outro lado da vida. Essas informações têm chegado, principalmente através da psicografia, por intermédio de inúmeros médiuns, nos mais diferentes pontos da Terra e nas mais diversas épocas.

Nessas mensagens, dirigidas em sua maioria a parentes e amigos, os espíritos contam como foi a sua passagem para o mundo ou dimensão espiritual, e como é essa nova realidade.

Também pela TCI – Transcomunicação Instrumental, os espíritos se comunicam através de aparelhos eletrônicos, passando informações semelhantes.

Um dos portadores das mais amplas e detalhadas notícias sobre o mundo espiritual, a vida e atividades dos seus habitantes - através da mediunidade - é o espírito André Luiz, nos 11 livros psicografados por Francisco Cândido Xavier (Chico Xavier): Nosso Lar,
Os Mensageiros, Missionários da Luz, Obreiros da Vida Eterna, No Mundo Maior, Libertação, Entre a Terra e o Céu, Nos Domínios da Mediunidade, Ação e Ração, Sexo e Destino, E a Vida Continua.



André Luiz nos mostra que esse outro lado da vida é muito parecido com o lado de cá.
Há muitas semelhanças. Ninguém fica vagando no espaço como alma penada, nem tocando harpa no beiral de uma nuvem. O mundo espiritual, para os espíritos, é tão real e dinâmico quanto o mundo físico é para nós.


É por isso que muitos espíritos não sabem, ou não conseguem acreditar que já morreram.
São daqueles que pensam que ao morrer irão para o céu, o purgatório ou mesmo para o inferno, ou então, que a morte irá apagá-los de vez. Mas, ao invés disso, encontram-se quase como antes. Muitos voltam para o lar, para os ambientes do trabalho ou do lazer. Vêem as pessoas, falam com elas, mas as pessoas não lhes dão a menor atenção. Alguns pensam que ficaram loucos, ou que estão vivendo um pesadelo interminável. Muitos assistem ao próprio velório e sepultamento, mas não aceitam a idéia de que aqueles funerais sejam os seus. Espíritos nessa condição são popularmente conhecidos como sofredores.

Uma das atividades dos centros espíritas é o esclarecimento a esses irmãos tão necessitados. Eles se incorporam ao médium e o doutrinador conversa com eles explicando-lhes a realidade. O grupo todo envolve o irmão sofredor em vibrações de paz e de amor.
É como ele se alivia e consegue melhorar a própria freqüência vibratória.


Essa elevação vibratória é necessária para que ele possa ser socorrido e levado para tratamento em local adequado.

Mas há também aqueles que retornam à dimensão espiritual mais ou menos conscientes do que está ocorrendo, ou seja, sabem, ou mesmo desconfiam que desencarnaram, ou “morreram”.

Quando alguém desencarna é muito importante que receba vibrações de paz, em vez das manifestações de desespero que geralmente acontecem nessas situações.

Muitos espíritos têm relatado através da mediunidade seus dramas, sofrimentos e aflições, por causa do desespero e desequilíbrio dos parentes e amigos, após seus desenlaces. Eles dizem que as lágrimas dos entes queridos que ficaram na Terra, suas vibrações angustiadas, chegam a eles com muita intensidade, provocando-lhes sofrimentos e aflições sem conta.

Por isso, diante da morte, a atitude dos presentes deve ser de respeito, serenidade, equilíbrio e, acima de tudo, prece. O recém-desencarnado necessita de paz e de muita oração.






Que é freqüência vibratória?




O pensamento e a emoção produzem o que se conhece como vibração, e o seu teor reflete o que há em nossa alma, definindo a freqüência dessa vibração, desde a mais baixa até a mais elevada que a nossa condição possa gerar.

O escritor Francisco Carvalho, no livro Influências Energéticas Humanas,
elabora uma escala imaginária que vai de zero a cem graus, com os seguintes valores: no grau zero teríamos o ódio, emoção de mais baixo teor
vibratório; nos 10 graus os desejos de vingança; nos 20, a inveja, o ciúme; nos 30, o rancor, o azedume, os ressentimentos e assim por diante, até os neutros, nos 50 graus. Nos 70, já numa faixa positiva, teríamos a esperança; nos 80, a fé; nos 90, a oração e a alegria e, finalmente, nos 100, o amor, a mais forte vibração de teor positivo.


Ainda na escala de vibrações de baixo teor podemos acrescentar as inúmeras “curtições” de natureza inferior, como as mais diversas taras, a crueldade, a perversidade, os muitos tipos de perversão, as conversas voltadas às baixas paixões, os mais diversos vícios, etc.

Já, para elevar o teor vibratório, também podemos acrescentar os sentimentos nobres, as leituras e conversas voltadas para assuntos ligados à religiosidade, à fraternidade, ao amor puro; a alegria sã e a meditação em temas luminosos, enfim, tudo que possa abrir canais entre nós e as forças mais altas da vida.

Quanto a mais informações sobre espíritos e mundo espiritual, há extensa bibliografia a respeito, particularmente pela psicografia de Chico Xavier, inclusive casos em que foram feitas perícias da letra e assinatura do espírito, comparando-se com sua letra e assinatura, quando ainda encarnado, e o diagnóstico dos peritos afirmou tratar-se da mesma pessoa.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

texto

"Porque a seus Anjos dará ordens a teu respeito, para te guardarem em todos os seus caminhos" Salmos 91:11. e " Examinai todos os espíritos que vem até nós".
Nó seres humanos formado por corpo, alma e espírito e datados de inteligência e consciência de seus atos, temos a faculdade de poder falar com nossos mentores espirituais. Pois, somos cidadãos dos céus, ou seja, do mundo espiritual.Quando pensamos somente no mundo material somos distanciados do mundo espiritual e ficamos incensiveis a vóz de Deus e de nossos mentores.
A pessoa que vive em busca de seus objetivos próprios de egoísmo e vaidade, não tem como avançar no plano fisíco e muito menos no espiritual.Privando-se assim de ouvir nossos mentores, e assim abrindo portas para os maus espíritos, que não procuram nem desejam outra coisa senão extimguir o homem.
Por isto, nós umbandistas precisamos vigiar e orar, clamando a Deus por proteção e sabedoria em nosso caminhar.Pois Ele sabe o que precisamos e sempre virá a nosso socorro no momento certo. Disse Jesus: "todas as coisas contribuem para o bem dos que amam a Deus e cumpre a caridade" como fala o versículo acima : Ele mesmo (Deus) dará ordem aos mentores a nosso respeito, para nos guardar e nos livrar de todo o mal".Mesmo que precisamos passarmos por situações adversas, ele estará nos dando força e nos consolando. Sendo assim, amados irmãos, cabe a nós examinarmos todos espíritos que vem até nós. evitando aqueles que procuram atrapalhar, enganar e impedir nosso crescimento espiritual.
O caminho que cada um segue chama-se "vontade" e se na " Vontade" não houver Fé em nossos orixas e mentores, então seremos abordados por salteadores que agem no obscuro roubando, matando, retardando nossos sonhos e vitórias que Deus planejou para cada um de nós. Crendo e confiando no mundo espiritual a luz da verdade, jogaremos por terra toda a falsidade,mentira que quer fechar nossos olhos, ouvidos e entendimentos aos ensinamentos que vem do alto. " Nem só de Pão vive o homem, mais de toda a palavra que se procede da nossa Pátria Celestial".
Queridos irmãos, toda a verdade tem por objetivo agir a nosso favor, tal como agem nossos mentores, velando por cada um de nós a todos instantes de nosso viver.Eles também recebem ordens de Pai Oxalá, a nosso respeito para guardar nosso caminho.
Somente confie e Creia!....
Seu Filho Vladimir Valeri.

domingo, 12 de setembro de 2010

LIVRE ARBÌTRIO

O livre arbítrio na Umbanda é pedra fundamental em sua filosofia. Não se pode pensar uma religião que acredita em reencarnação, responsabilidade pelos atos, vida após a morte, não acreditar em livre arbítrio. O que não podemos confundir é com o livre arbítrio no Kardecismo, que pode levar o espírito a penas e castigos pelo seu exercício. No caso, se ele comete uma ação prejudicial a alguém ele será punido por essa ação. Na Umbanda uma ação prejudicial não gera punição, gera responsabilidade e demonstra necessidade de aprendizado. Mesmo o aprendizado virá no momento (vida) que aquele espírito decidir ou reconhecer a necessidade do aprendizado. Somos livres para programar nossa vida. Não morremos para vir em outra vida pagar pelo que fizemos na anterior. Aprenderemos na próxima vida aquilo que nosso espírito decidir que é o momento de aprender. Algo que não sabemos hoje, poderá levar um grande número de reencarnações até aprendermos, isso também é feito através do livre arbítrio.
Um grande abraço,
Pai Solano

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Repassando

Resapando...

DIA DE GIRA DE PRETO-VELHO
Era dia de "gira de preto velho" no terreiro. Enquanto os consulentes chegavam ansiosos e esperançosos em levar de volta a "solução" daqueles problemas que atrapalhavam suas vidas, na frente do congá os médiuns vestidos de branco e de pés descalços concentravam, ligando-se aos seus protetores e guias.
O ambiente denotava simplicidade e era mobiliado apenas por al cadeiras para acomodar os consulentes, banquetas para os médiuns que serviriam de "aparelhos" às entidades espirituais e o congá onde um vaso de flores, outro de ervas e os elementos ar, fogo, água e terra se faziam presentes. Acima, uma imagem de Jesus resplandecente de luz.
Iniciando-se a sessão através de pontos cantados e orações, após uma leitura espiritualista elucidativa, iniciavam-se as incorporações de maneira moderada. Do lado astral, as falanges de trabalhadores já haviam chegado muito tempo antes dos médiuns e ali já haviam preparado o ambiente fluidicamente. Uma varreduda energética havia sido feito pelos elementais onde primeiramente atuaram as salamandras e após as sereias e ondinas, fazendo com que toda a matéria astralina densa que ali se encontrava, fosse transmutada permitindo a chegada dos espíritos trabalhadores.
Na porta do ambiente, junto à firmeza ,a vela e a cachaça eram dados ao Exú Tronqueira,e seus comandados,impondo respeito e segurança formavam verdadeira muralha armada, impedindo a invasão de seres indesejáveis ao bom andamento do trabalho da noite.
Cada um dos consulentes que adentrava ao ambiente passava agora primeiro pela defumação que queimava junto à porta, em cumbuca de barro, exalando o cheiro das ervas perfumadas sendo incineradas pelo carvão vegetal. Equipes de limpeza se movimentavam no lado espiritual, recolhendo as larvas astrais e outras espécies de energias deletéreas que ali eram desagregadas dos corpos dos consulentes, as quais não eram totalmente absorvidas pelo carvão ou transmutadas pelo elemento fogo.
Em alvíssimas vestes, os amados Pais e Mães, na sua roupagem fluídica de Pretos velhos, trazendo a alegria estampada em sua energia, tomavam conta de seus "aparelhos" médiuns, atuando no chácra básico dos mesmos, obrigando-os a dobrar as suas costas à semelhança de velhos arqueados, incentivando-os ao trabalho fraterno.
E assim, de consulente em consulente, de caso em caso, com a paciência e sabedoria que lhes é peculiar, entre uma baforada e outra de palheiro ou de alguma espanada com o galho de ervas na aura daqueles filhos, os bondosos espíritos cumpriam sua missão. Eram conselhos, corrigendas, desmanche de magia negra, de elementares artificiais negativos, limpeza e equilíbrio dos corpos sutis, retirada de aparelhos parasitas e às vezes, alguns puxões de orelha necessários, em forma de alerta. Tudo de acordo com o merecimento do consulente, pois cada um trazia consigo a mostragem de sua "ficha cármica" onde estavam impressos o que a Lei permitia ser mudado, bem como o que ainda era necessário que com eles permanecesse.
Vó Benta, espírito portador de grande sabedoria e humildade, apresentando-se naquele local com o corpo astral de negra velha de pequena estatura, com roupas simples e alvas, cuja saia comprida e larga era coberta por um avental onde um bolso era recheado de ervas e patuás, tinha uma maneira simplista e diplomática de fazer com que os filhos entendessem que eles próprios eram seus médicos curadores:
-Minha mãe, acho que estou sendo vítima de "trabalho feito" pela minha ex mulher...
Sorrindo e com linguagem peculiar, segurava com firmeza as mãos do moço passando-lhe com isso confiança e com a voz recheada de afeto respondia:
-Negra velha vai explicar para que o filho entenda: - quando sua casa está totalmente fechada, fica escura e nada pode entrar, às vezes nem a poeira. Não é isso? Quando o filho abre as janelas e portas, a luz do sol entra invadindo todos os cantos, mas podem entrar também as moscas, baratas, formigas e até os ladrões, não é? Para a sujeira e os bichos, o filho pode usar a vassoura, para os ladrões a lei, a segurança. E para a luz do sol? Ah, essa filho, fica ali iluminando até que o filho feche toda a casa outra vez. Assim também é a nossa casa interna; quando nos fechamos para a vida, para o trabalho, ficamos no escuro e ao nos abrirmos , deixamos a luz entrar mas ficamos sujeitos a todas as outras energias que pululam ao nosso redor. Mas como acontece na casa material, onde não houverem os atrativos da sujeira e do lixo, os insetos não se aproximam. Se estivermos equilibrados, sem raiva, mágoa, ciúmes, vícios e todos esses lixos que os filhos buscam na matéria, nada nem ninguém consegue afetar nossa energia, nossa vida. Só o sol permanece no coração de quem procura manter-se limpo.
Negra velha sabe que esse mundão está de cabeça para baixo. No lado material os filhos andam desarvorados pela dificuldade de sustento de suas famílias, quando não, em busca de supérfluos. Mas mesmo assim, é preciso lembrar aos filhos, que embora estejam na matéria e sujeitos à ela, a vida real está no espírito imortal. É preciso dar mais atenção, senão prioridade, à essência em detrimento do restante, para que possa haver o equilíbrio dos elementos inerentes à vida, na sua totalidade.
O mal que é enviado aos filhos, só vai instalar-se se encontrar no endereço vibratório, ambiente adequado. Sem contar que, o medo é porta aberta e atrativo para a entrada do desequilíbrio. O medo é sentimento muito usado pelas energias da esquerda, uma vez que fragiliza o corpo emocional facilitando sua atuação mórbida. Por outro lado, negra velha pergunta para o filho: - se a desordem não houvesse se instalado, por acaso o filho estaria aqui, sentado no chão, em frente à preta velha, buscando humildemente ajuda espiritual? Nem sempre o que nos parece mal, é tão prejudicial assim. Pode ser o remédio adequado para o momento, ou talvez a estremecida necessária no corpo astral dos filhos, para que a ordem possa reinstalar-se.
As trevas, meu filho, estão vinte e quatro horas de plantão. E os filhos, acaso estão? Não adianta orar e não vigiar, pois o pensamento é energia e com ele nos adequamos ao campo energético que quisermos.
Antes da hora grande as falanges da egrégora dos Pretos Velhos, despediram-se de seus aparelhos, alguns precisando largar e desfazer a vestimenta astral usada para que pudessem chegar até os aparelhos mediúnicos e voltavam agora para as bandas de Aruanda, onde continuariam suas atividades no mundo astral. Pois como diz a Vó Benta, "se pensam que morrer é dormir e descansar, os filhos estão muito enganados...desse lado tem muito trabalho e como nem o Pai está imóvel, quem somos nós cuja ficha cármica demonstra um vasto débito, para nos aposentarmos?".
Agora as velas apagam-se, os elementos voltam a integrar a natureza, os elementais após limparem o ambiente retornam aos seus devidos reinos, os elementares foram desagregados pela força e sabedoria dos pretos velhos e os médiuns voltam aos seus lares com a sensação de paz que só é sentida por aqueles que cumprem com seus deveres.

Preto velho já foi,
Já foi prá Aruanda,
A benção meu Pai
Saravá prá sua banda...

segunda-feira, 26 de julho de 2010

SESSÃO DE DESCARREGO E SAÚDE A DISTÂNCIA

Todas as mensagens serão encaminhadas para a Sessão DE DESCARREGO E SAÚDE, e colocadas para Irradiação à Distância (Sessão que se realiza nas últimas 4º feiras partir das 20:00 Horas). Através do Nome e Endereço e definir qual a parte da gira a pessoa precisará, se descarrego ou saúde. Mandaremos uma ficha a parte para aqueles que se manifestarem e quiserem participar . É um trabalho de grande eficiência realizado pelas Entidades-Guias, que assistem à Mediúnicamente a reunião que é dirigida pelo Pai Antônio de Aruanda.( Não é o Pai Antônio do início da Umbanda e incorporava em Zélio de Moraes.Este não Incorpora mais).os emails podem ser encaminhados para maemaria33@terra.com.br com prazo mínimo de dois dias

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Pai de Terreiro

A INCUMBÊNCIA DE DIRIGENTE DE UMBANDA, COMO DENOMINAM CARINHOSAMENTE DE PAI OU MÃE DE TERREIRO, É CARMA OU MÉRITO?
O MÉDIUM QUE RECEBE DA ESPIRITUALIDADE A MISSÃO DE
DIRIGIR UM AGRUPAMENTO DE OUTROS MÉDIUNS, O FAZ, EM PRIMEIRO LUGAR POR NECESSIDADE DE EVOLUÇÃO E EM SEGUNDO LUGAR PORQUE POSSUI A CONFIANÇA DAQUELES QUE LHE DÃO TAL INCUMBÊNCIA.VAMOS FALAR DAQUELES QUE RECEBERAM A MISSÃO DO PLANO ESPIRITUAL, PROJETO REALIZADO ANTES DE SUA ENCARNAÇÃO NA TERRA E NÃO DAQUELES DIRIGENTES " FEITOS" EM CURSOS.
TAREFA MEDIÚNICA DAS MAIS DIFÍCEIS E QUE EXIGE DEDICAÇÃO TOTAL DAQUELE ESPÍRITO REENCARNADO, ALÉM DE DOSE EXTREMA DE PACIÊNCIA, PERSEVERANÇA, HUMILDADE E AMOR. MAS AO MESMO TEMPO, EXIGE DELE TAMBÉM PULSO FIRME E FORTE PERSONALIDADE PARA IMPOSSIBILITAR QUE SUA COLHEITA SEJA PREJUDICADA PELA INVASÃO DE MAU EPÍRITOS.A DIFICULDADE DE CUMPRIR A TAREFA DE DIRIGENTE SEMPRE SE ACENTUA DENTRO DO TERREIRO, COM OS MÉDIUNS TODO MÉDIUM DE TAREFA, É UM SER ENCARNADO PARA CURAR SEU ESPÍRITO ENDIVIDADO E O TERREIRO É O HOSPITAL ONDE VAI SE INTERNAR POR UM LONGO TEMPO DE SUA VIDA NA TERRA. SABEMOS QUE A MAIORIA DOS PACIENTES SÃO IMPACIENTES, NÃO É MESMO? E AÍ É QUE COMPLICA!
O DIRIGENTE TAMBÉM NÃO DEIXA DE SER UM DOENTE QUE ALÉM DE SE TRATAR, AGORA PODE ESTAGIAR AJUDANDO AOS MÉDIUNS DE SUA CORRENTE " HOSPITALAR". ISSO NÃO O COLOCA COMO UM SEMI-DEUS PERFEITO DO QUAL NÃO SE ADMITEM MAIS ERROS, MUITO MENOS COMO ALGUÉM QUE TUDO PODE, EM QUALQUER HORA E EM QUALQUER SITUAÇÃO.

6-O QUE É EXIGIDO DOS PAIS DE TERREIRO?
DELE SERÁ EXIGIDO POSTURAS MAIS FIRMES BEM COMO ENTENDIMENTO MAIS APURADO. ELE DEVERÁ SE APRIMORAR CONSTANTEMENTE COM ESTUDO E REFORMA ÍNTIMA, EXIGINDO DA CORRENTE IGUAL COMPROMISSO. TAIS POSTURAS SERÃO NECESSÁRIAS EM FUNÇÃO DO TAMANHO DE SUA RESPONSABILIDADE E DENTRE ELAS ESTÁ A DE CORTAR O MAL PELA RAIZ, PRIORIZANDO SEMPRE A CORRENTE COMO UM TODO, SEM PRIVILÉGIOS A QUEM QUER QUE SEJA.AO ASSUMIR TAL POSTO DIANTE DA ESPIRITUALIDADE, ANTES DE REENCARNAR, JÁ ESTARÁ CONSCIENTE DE QUE SUA VIDA NÃO SERÁ " COMUM" E QUE CERTAMENTE TERÁ QUE ABDICAR DE MUITAS COISAS MATERIAIS, EM FAVOR DO LADO ESPIRITUAL.

19-PORQUE O TERMO PAI E MÃE DE TERREIRO
O TERMO PAI E MÃE AGRACIA O MÉDIUM COM A POSTURA DE SE COLOCAR COMO TAL, AMPARANDO, EDUCANDO E AUXILIANDO A CORRENTE COMO VERDADEIROS FILHOS DE SEU CORAÇÃO. TAREFA MAIS DIFÍCIL AINDA, POIS ESSES " FILHOS" NÃO VIERAM DE SEU VENTRE E NÃO NASCERAM ONTEM. SÃO ADULTOS, VICIADOS E COM PERSONALIDADE FORMADA. CADA UM COM SEUS EGOS AFLORADOS, COM SUAS NECESSIDADES DE EFORMULAÇÃO E O FATO DE PORTAREM A MEDIUNIDADE, JÁ OS QUALIFICA COMO DEVEDORES EM POTENCIAL.
E CERTAMENTE, REEDUCAR UM ADULTO É MUITO MAIS DIFÍCIL DO QUE EDUCAR UMA CRIANÇA. É PEPINO TORTO. OBSERVO NOS TERREIROS POR ONDE ANDO QUE MUITO SE EXIGE DO DIRIGENTE E MUITO POUCO SE RETRIBUI. FALTA NOS MÉDIUNS, DESDE RESPEITO ATÉ AQUILO QUE OS DEVERIA MOVER DENTRO DA CORRENTE, QUE É AMOR. HUMILDADE ENTÃO, MEUS FILHOS, É COISA RARA. EM COMPENSAÇÃO SOBRA BAJULAÇÃO, GERALMENTE USADA COMO MEIO DE SE FAZER PREFERIDO NA CORRENTE.
A TAREFA É TÃO ÁRDUA QUE MUITOS DESISTEM NA METADE DA CAMINHADA, OUTROS SE CORROMPEM, MAS, AINDA BEM QUE UMA GRANDE MAIORIA VOLTA À CASA COM SUA COROA ILUMINADA PELA LUZ DO DEVER CUMPRIDO E A ESTES, O MÉRITO DE CONSEGUIR DAR UM SALTO EM SUA EVOLUÇÃO.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

A síndrome de chefe.

Síndrome de Chefe.
"O respeito com as diferenças começa dentro do Congá".

daremos o no me de : "síndrome de chefe" ou melhor dizendo, uma doença que atinge aqueles que, cansados de receber ordens dos seus patrões na empresa onde trabalham, resolvem praticar um papel de patrão que nunca foi, dentro do terreiro, perante seus irmãos de corrente, sobretudo com os menos experientes.
O portador da síndrome de chefe, sob a desculpa de estar querendo ajudar a direção da casa, passa o trabalho todo atento as atitudes dos seus colegas, sempre pronto a desferir ríspidos corretivos, broncas e outras "cavaleirisses" (não se trata de um erro ortográfico, é "cavaleirisses" mesmo, de cavalo, não de cavalheiro). Em outras palavras, quer dar uma de chefe que nunca foi, aproveitando-se de sua possível condição de incorporado. Digo "possível" porque esta atitude não condiz com um Guia de Luz, e sim, está no ser errante, encarnados que somos todos.
Claro que a este mal não estão sujeitos apenas médiuns da corrente, mas também dirigentes e sacerdotes, que ao invés de ensinar de forma consciencial, prefere impor suas regras de maneira autoritária.
Este texto que foi escrito com o intuito de alertar, e claro, não adianta apenas apontar o erro sem dar uma opção de solução, caso contrário estaria repetindo aqui exatamente o que estou condenando.
O que devemos então fazer quando vemos alguma atitude que consideramos errada por parte de um irmão de corrente?
Primeiro: verifique se o ocorrido é realmente relevante, ou seja, se está atrapalhando o SEU trabalho.
Segundo: caso esteja, e/ou ofereça risco aos demais, ao contrário do portador da síndrome, não se dirija ao seu irmão para condená-lo, corrigi-lo e sim leve o caso para o sacerdote, mas leve na mesma hora, para que este possa resolver de imediato. (levar esta informação depois do ocorrido não resolve e é sinônimo de fofoca).
O sacerdote é o único que terá autoridade para orientar sem causar um mal estar entre você e seus irmãos.
Conviver em comunidade é uma arte, é difícil e requer auto crítica. Se desejamos ser médiuns de Umbanda, precisamos respeitar nossos irmãos de corrente e pensar no coletivo, precisamos lembrar que nessa religião não assistimos a missa e sim a celebramos junto com o padre, mas isso já é assunto pra outra oportunidade.

domingo, 4 de julho de 2010

EVANGELIZAÇÃO INFANTIL

RA Importância da Formação Religiosa Infantil
Desde os tempos imemoriais, a humanidade procurou registrar pela escrita os acontecimentos, idéias, ensinamentos, experiências e símbolos que marcam a sua passagem pelo tempo. As civilizações extintas continuam a falar através dos diversos tipos de escrita que deixaram.
Este foi o problema com a memória de nossa Umbanda: pelo menos 1000 anos de tradições africanas, se perderam com a escravidão no Brasil. Somente com a popularização de nossa religião e com a luta contra o preconceito conseguiremos ser respeitados pela má informação.
Hoje temos mais facilidade para falarmos de Umbanda e de cultos Afro-Brasileiros que no passado. Portanto, maior responsabilidade com nossas crianças, podemos torná-los atuantes em nossas vidas e aprofundá-los nos ensinamentos em comunhão com nossos irmãos.
Vamos incentivar o hábito da boa leitura nas novas gerações, especialmente em leituras que impulsionem o progresso espiritual.
A Formação Religiosa Infantil pode:
• Promover o desenvolvimento sadio e integral da criança
• Proporcionar o gosto pela vida em fraternidade, em condições de relacionamentos consigo e com as outras pessoas.
• Sensibilizar a criança para as questões sociais, culturais, políticas e econômicas, despertando uma visão crítica da realidade.
• Despertar o espírito de liderança.
• Despertar o compromisso religioso, na vivência da espiritualidade umbandista, cultivando o espírito da meditação.
• Despertar para o relacionamento construtivo da vida familiar.
Sugestões para criar uma boa aula:
Cada lenda de Orixás oferece uma infinidade de materiais para pesquisa que podem ser adaptadas conforme a idade e a série:
• Utilizar-se de instrumentos musicais com pontos cantados para contar a história.
• Pesquisar e construir outros instrumentos africanos (sucata, maquetes de terreiros)
• Destacar palavras que apareçam no texto pesquisar em dicionários e criar outras histórias utilizando-se das palavras africanas.
• Criar um banco de palavras de origem africana, ensaiar encenações das lendas, corais de pontos cantados.
• Elaborar explicações simples do ponto riscado.
• Preparar receitas de comidas de Orixás para degustar com os alunos.
Para o desenvolvimento da aula:
• Fazer um estudo da realidade: Levantamento sobre as religiões Afro existentes no Brasil e identificar suas origens o mesmo fazer com a Religião de Umbanda
• Correlacioná-las com fatos histórico, entrevistas com pais-de-santo, ogãs, ekedis,... e fazer levantamentos bibliográficos.
Diagnóstico e resultados:
• Exposição dos resultados conquistados pelos estudantes.
• Criar uma graduação para a criança dentro da tenda (assim como: cambono mirim, curimba mirim...)
Muitas vezes não damos conta da importância da palavra em nossas vidas, às vezes, pela pressa, às vezes pela calmaria. Não há depressão que resista a uma boa leitura, a uma boa conversa. Pense nisso, os orixás agradecem.
epassando...

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Agrados para as Entidades

AGRADOS

Para Crianças
Ingredientes:
1 Manjar;
1 Boneca ou 1 Carrinho ou Ambos;
Frutas diversas.
Local de oferta: numa roseira

Para Caboclos
Ingredientes:
1 Côco;
1 Garrafa de Vinho;
Legumes crus, cortados bem pequenos;
Uma folha de palmeira ou outra folhagem;
Um pouco de mel;
Fumo de rolo;
Como preparar:
Forre o chão com a folhagem;
Arrume os legumes em cima das folhas;
Cubra com o mel;
Abra o Côco e coloque o vinho dentro;
Espalhe o fumo de rolo em volta para enfeitar;
Local de oferta:

Para Boiadeiros
Ingredientes:
Farinha de mandioca;
Carne de sol ou carne seca, cozida e desfiada;
1 Cebola;
1 Água-ardente de boa qualidade;
1 Pedaço de rapadura;
1 Tigela;
1 Coité ou 1 copinho de dose;
Como preparar:
Faça uma farofa com a farinha, a carne e a cebola e coloque na tigela;
Coloque a rapadura ao lado da farofa;
Abra a água-ardente e sirva no coité (ou copinho de dose);
Local de oferta:
Numa planície;
Ou em local de campo aberto;

Para Exus
Ingredientes:
Um pouco de fubá;
Um pouco de azeite de dendê;
7 moedas correntes;
1 Água-ardente de boa qualidade;
1 Cebola;
1 Tomate;
1 Bife de boi;
1 Alguidar de barro;
1 Coité;
Como preparar:
Com as mãos, faça uma farofa com o fubá e o azeite de dendê, no alguidar;
Frite o bife no azeite de dendê e coloque-o em cima da farofa;
Corte a cebola e o tomate e enfeite a comida;
Coloque as moedas em volta;
Abra a água-ardente, sirva no coité e faça seus pedidos;
Local de oferta: Numa estrada longa; Ou em uma encruzilhada aberta;


Para Pombogiras
Ingredientes:
Um pouco de fubá;
Um pouco de mel;
Frutas;
Moedas correntes;
Rosas vermelhas;
1 Champanhe ou uma bebida doce;
Um corte de tecido estampado bom (seda por ex);
Como preparar:
Forre o chão com o tecido;
Com as mãos faça uma farofa com o fubá e o mel;
Arrume as frutas por cima da farofa;
Enfeite com as rosas e as moedas;
Abra a champanhe e faça seus pedidos;
Local de oferta: Numa estrada longa; Ou em uma encruzilhada aberta;

terça-feira, 1 de junho de 2010

TUDO PASSARÁ

"Tudo Passará
Todas as coisas, na Terra, passam...
Os dias de dificuldades, passarão...
Passarão também os dias de amargura e solidão...
As dores e as lágrimas passarão.
As frustrações que nos fazem chorar... um dia passarão.
A saudade do ser querido que está longe, passará.
Dias de tristeza...
Dias de felicidade...
São lições necessárias que, na Terra, passam, deixando no espírito imortal as experiências acumuladas.
Se hoje, para nós, é um desses dias repletos de amargura, paremos um instante.
Elevemos o pensamento ao Alto, e busquemos a voz suave da Mãe amorosa a nos dizer carinhosamente: isso também passará...
E guardemos a certeza, pelas próprias dificuldades já superadas, que não há mal que dure para sempre.
O planeta Terra, semelhante a enorme embarcação, às vezes parece que vai soçobrar diante das turbulências de gigantescas ondas.
Mas isso também passará, porque Jesus está no leme dessa Nau, segue com o olhar sereno de quem guarda a certeza de que a agitação faz parte do roteiro evolutivo da humanidade, e que um dia também passará...
Ele sabe que a Terra chegará a porto seguro, porque essa é a sua destinação.
Assim, façamos a nossa parte o melhor que pudermos, sem esmorecimento, e confiemos em Deus, aproveitando cada segundo, cada minuto que, por certo... também passarão...”
”Tudo passa... exceto DEUS!”
Deus é o suficiente!

Emmanuel
Francisco Cândido Xavier"

quinta-feira, 27 de maio de 2010

REPASSANDO...

Se vivemos constantemente apontando as escabrosidades do mundo, sem procurar compreendê-las, estaremos nos associando mentalmente aos acontecimentos infelizes e, amanhã, poderemos nos tornar suas vítimas.

Nós somos o que pensamos e irradiamos à nossa volta exatamente o que sentimos. Todos os que se aproximam de nós são envolvidos por essa energia que emana dos nossos sentimentos e, com certeza, através dela, atrairemos para o nosso convívio todos aqueles cujos pensamentos se associam aos nossos, ou seja, os nossos afins, os que pensam e sentem como nós. Então eu direi: "Diga-me o que pensas e sentes e eu te direi com quem andas!"

Aprimorar nossas atitudes, nossos pensamentos e sentimentos, é uma maneira inteligente e de certa forma científica de nos libertarmos do ciclo vicioso do sofrimento. Felizes são aqueles que já acordaram e estão em luta constante em busca desse aprimoramento! Estes já estão a caminho da verdadeira felicidade. Ao passo que, aqueles que ainda se vinculam ao sentimento de mágoa e de ódio, caminham para sofrimentos e provações morais que, mais tarde, refletir-se-ão no corpo físico, provocando sérios danos à saúde.

Mesmo quando somos caluniados e feridos injustamente, é de bom alvitre optarmos pelo perdão. Entretanto, perdoar não significa conviver ou acarinhar aqueles que se fizeram nossos adversários; é uma postura íntima que devemos assumir compreendendo a ignorância daqueles que ainda não alcançaram o grau da nossa compreensão. É como perdoar as crianças pelas suas traquinagens próprias da infância.

Encontraremos forças para assumir essa atitude na sábia rogativa do Mestre Jesus, proferida nos momentos finais do seu sacrifício: "Pai, perdoai-os; eles não sabem o que fazem'.

Realmente, aqueles que tomam atitudes contrárias à felicidade de alguém, por inveja ou por ciúmes, ou por qualquer outro motivo, é vítima da própria ignorância; não sabem que, com esse comportamento, semeiam a própria infelicidade. Só se tornarão suas vítimas, aqueles que vibram na mesma faixa de ignorância.



"Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos."

Aqueles a quem chamamos de inimigos são nossos irmãos que, ao longo da nossa vida, surgem a conta de professores impondo-nos lições difíceis, porém necessárias ao nosso aprimoramento espiritual. É dessa forma que devemos compreendê-los e amá-los, como nos recomenda Jesus...



Do Livro "Perdão - O Caminho da Felicidade!", de Nelson Moraes.

terça-feira, 4 de maio de 2010

PAI ANTÔNIO

CONVITE

A Casa Branca de Oxalá tem a alegria de convidar, seus filhos,fiéis e amigos para a comemoração da do dia 13 de maio, dia do Preto Velho.A homenagem será na 4º FEIRA DIA 12 ÀS 20:00.
SARAVÁ OS PRETOS E PRETAS VELHAS

AS SETE LÁGRIMAS DO PRETO VELHO
W.W. DA MATTA E SILVA


Num cantinho de um terreiro, sentado num banquinho, pitando o seu cachimbo, um triste velho chorava.
Dos olhos molhados de seu médium, grossas lágrimas desciam-lhe pela face e não sei porque as contei... eram sete.

Na incontida vontade de saber, aproximei-me e o interroguei: "Fala meu Preto Velho, diz ao teu filho porque externas assim tão visível dor ?"
E ele suavemente respondeu:
Estais vendo esta multidão que entra e sai ? As lágrima que contastes estão distribuídas a cada um que fazem parte dela

A PRIMEIRA, eu dei estes indiferentes que aqui vem em busca de distração para saírem ironizando aquilo que suas mentes ofuscadas não podem conceber ou entender...

A SEGUNDA, a estes eternos duvidosos que acreditam desacreditando, na expectativa de um milagre que os façam alcançar aquilo que seus próprios merecimentos negam...

A TERCEIRA, distribuí aos maus, aqueles que somente procuram a Umbanda em busca de vingança, desejando prejudicar os seus semelhantes...

A QUARTA, dei aos frios e calculistas que sabem que existe uma força espiritual e procuram beneficiarem dela de qualquer forma e não conhece a palavra gratidão...

A QUINTA, chega suave... tem o riso, o elogio da flor dos lábios, mas se olharem bem o semblante para quem ela é dirigida, verão escrito: Creio na Umbanda, no teu Zambi, nos teus Caboclos e Pretos Velhos mas somente se resolverem meu caso, me curarem disto ou daquilo...

A SEXTA, eu dei aos fúteis que vão de Centro em Centro, acreditando em nada, buscando aconchegos e conchavos e seus olhos revelam um só interesse deferente...

A SÉTIMA, filho, notas como foi grande e deslizou pesada ? Foi a última lágrima; aquela que vive nos olhos de todos os Orixás.
Fiz doação desta aos Médiuns vaidosos que só aparecem no Centro em dias de festa e faltam aos trabalhos de CARIDADE e DESENVOLVIMENTO.
Esquecem que existem tantos irmãos precisando de CARIDADE e tantas crianças precisando de amparo MATERIAL e ESPIRITUAL. Esquecem que, ajudados foram, agora é hora de ajudar.
Assim, filho meu, para estes todos é que vistes deslizar uma a uma, AS SETE LÁGRIMAS DE UM PRETO VELHO.
Então com minha alma em pranto, tornei a perguntar:
"Não tens mais nada a me dizer, meu PRETO VELHO ?"
Vi um clarão em seu rosto e ele me respondeu:
"Mando a luz da minha transfiguração para aqueles que esquecidos pensam que estão... Mas eles formam a maior dessas multidões.
São os humildes, os simples, estão na UMBANDA pela UMBANDA, na confiança pela razão. São meus filhos de fé.
São "aparelhos" trabalhadores, silenciosos, cujas ferramentas se chamam DOM e FÉ, e cujos "salários" de cada noite são pagos quase sempre com uma só moeda, que traduz o seu valor numa única Palavra...INGRATIDÃO."

sexta-feira, 30 de abril de 2010

MEDIUNIDADE

O Umbandista, devido ao tipo de sua mediunização, que é o fato do guia andar, manifestar trejeitos, sotaques, vestimentas, enfim, por ser uma manifestação espiritual carregada das personalidades das entidades que fumam cachimbo, charutos, cigarros de palha, deve rever e conhecer suas falhas emocionais e psicológicas, que interferem em sua mediunização. A prática mediúnica, nestes casos, poderá se tornar um grande problema que só se resolverá com intensa supervisão e orientação do pai e da mãe de terreiro e com humildade por parte do médium aprendiz, quando isto ocorre.
Quando o médium inicia seu desenvolvimento mediúnico é natural que o mesmo fique apaixonado e eufórico e muito envolvido nesta nova experiência existencial. É justamente este encantamento que vai motivá-lo para os desafios, da mediunidade, que aparecem neste momento. No entanto, é também uma fase em que muitos tentam apoiar-se em sua mediunidade para suprir suas deficiências emocionais, o que é natural em todo ser humano e quando isto não pode ser controlado pode se tornar um perigo eminente, pois o médium pode usar a mediunização como forma de auto valorização.
A vida do médium se divide em dois momentos: antes e depois da mediunidade. Acontece que este grande universo precisa ser vivido com coerência, humildade e um grande senso crítico, porque senão será uma avalanche de confusões e comportamentos nocivos.
Desta forma entendemos aqui o que è esta “euforia religiosa”, que nada mais é do que a entrega do médium no mundo espiritual e no mundo da mediunidade.
Vamos entender agora o que é o ANIMISMO: - quando o médium se pronuncia ao invés da espiritualidade, ou seja, age e pensa e fala como se fosse uma Entidade, uma segunda pessoa ( Espírito) e manifesta isto como se fosse uma entidade.
Não é MISTIFICAÇÃO, esta atitude acima dita, que é usada com malicia, proposital, e o indivíduo fala como se fosse o espírito, mentirosamente com má intenção. Mas Animismo acontece de forma silenciosa e muitas vezes não percebemos para aqueles que não aprenderam conceitos básicos da Religião de Umbanda e da ação espiritual do médium, pois ele está tão envolvido e entregue às novas sensações que pode em um determinado momento acreditar que tudo em sua volta é uma experiência espírita-mediúnica.
Já nas primeiras sensações do guia, o médium é orientado que intuições que virão. Acontece que é muito difícil distinguir intuição de pensamento próprio e não há uma formula a se ensinar.
Cabe ao Pai ou Mãe de terreiro estar atentos e também ao médium estar atento, para com a sua sensibilidade saber distinguir o que é intuição ou o que é impressão.
O médium começa a sentir as manifestações do guia e quer se aproximar muito da entidade, justificando que o guia que intuiu, quer criar um elo de companheirismo, o que está certo, mas muitas vezes nesta intenção ele cria mentalmente necessidades desta entidade, ou seja, começa a providenciar uma série de “presentes”.
Por isso precisamos estudar e termos disciplina mediúnica. O médium que vem ao terreiro simplesmente para dar o passe, pode ser até um médium antigo, mas acaba por cair no animismo e da exploração de seu próprio corpo físico que agora está a mercê de entidades de baixa vibração, dando o nome de seu Preto Velho ou Caboclo, mas na realidade são entidades zombeteiras.
O médium acredita em tudo que ocorre em sua vida está a presença do guia. Nos sonhos ele sempre fala que o guia vem lhe dar um recado e que as intuições e os pensamentos são provindos dos seus guias. Ele começa a dar conselhos para os outros dizendo que “o seu guia” mandou dizer, narra “sonhos reveladores”, e coisas desse tipo. Quando o médium fala para o outro: “Fulano sonhei com você e você deve tomar cuidado...” ou “meu guia quer que você faça isso, isso e isso”.
Podem acontecer também “incorporações” fora de hora e de local. Tudo isto é uma carência psicológica e uma necessidade íntima, ou uma forma que o médium acha que conseguirá estreitar os laços da entidade.
A mediunidade não está desenvolvida nunca, está sempre em desenvolvimento. Por isso é necessário sempre a humildade e a vontade de aprender. O que a Casa mais teme é quando o médium acha que tudo sabe e se considera “pronto”. Estamos sim, prontos para aprender.
Vamos perguntar: como podemos discernir entre mediunização e animismo? Ou como podemos perceber quando se dá o animismo?
Estudo, responsabilidade mediúnica, seriedade ao trabalhar com suas entidades, aceitar os princípios básicos da religião de Umbanda.
Aceitar que os Guias estão e são ocupadíssimos e não estão à nossa disposição a todo e qualquer momento.
Aceitar que se estamos numa corrente e fizermos nosso trabalho direito mal nenhum vai nos pegar.
Tomarmos os banhos de descarrego regularmente, conforme a entidade passar.
Estar em dia com as obrigações de nossas entidades.
Sermos honestos na nossa incorporação e em nossa vida.
Não querermos milagres de nossas entidades.
Agirmos com simplicidade.
E se ainda assim o médium alega que escuta o guia, enxerga e sente o guia o tempo todo e que este guia faz tudo. Então, estamos lidando com um zombeteiro ou um obsessor que está se fazendo passar pelo guia.
Mas se freqüentamos uma casa séria e honesta isso é pouquíssimo provável que aconteça.
Quero deixar aqui um trecho de Chico Xavier:
“ OS ESPÍRITOS AMIGOS SEMPRE MOSTRAM DISPOSIÇÃO DE NOS AUXILIAR. MAS É PRECISO QUE PELO MENOS LHES OFEREÇAMOS UMA BASE... MUITOS FICAM NA ESPECTATIVA DO SOCORRO DO ALTO, MAS NÃO QUEREM NADA COM O ESFORÇO NA RENOVAÇÃO, QUEREM QUE OS ESPÍRITOS SE INTROMETAM EM SUAS VIDAS E RESOLVAM SEUS PROBLEMAS...
ORA, NEM JESUS CRISTO QUENDO VEIO A TERRA SE PROPÔS A RESOLVER PROBLEMA PARTICULAR DE ALGUÉM...
ELE SE LIMITOU A NOS ENSINAR O CAMINHO, QUE NECESSITAMOS PALMILHAR POR NÓS MESMO “
Se ao ler ou ouvir este texto você pensa que não tem nada a ver com isto –PREOCUPE-SE
Se ao ler ou ouvir este texto você pensou mais nas outras pessoas, preocupe-se mais ainda.
Se ao ler ou ouvir este texto você começou a se analisar, bom caminho
UMBANDA: evolução coerência humildade e amor

Mãe Maria – em 5/04/2010

sexta-feira, 16 de abril de 2010

SESSÃODE SAÚDE E DESCARREGO A DISTÂNCIA

Gira de descarrego e saúde à diistância
SESSÃODE SAÚDE E DESCARREGO A DISTÂNCIA

Todas as mensagens serão encaminhadas para a Sessão DE DESCARREGO E SAÚDE, e colocadas para Irradiação à Distância (Sessão que se realiza nas últimas 4º feiras partir das 20:00 Horas). Através do Nome e Endereço e definir qual a parte da gira a pessoa precisará, se descarrego ou saúde. Mandaremos uma ficha a parte para aqueles que se manifestarem e quiserem participar . É um trabalho de grande eficiência realizado pelas Entidades-Guias, que assistem à Mediúnicamente a reunião que é dirigida pelo Pai Antônio de Aruanda.( Não é o Pai Antônio do início da Umbanda e incorporava em Zélio de Moraes.Este não Incorpora mais).os emails podem ser encaminhados para maemaria33@terra.com.br com prazo mínimo de dois dias
Postado por Casa Branca de Oxalá Templo Umbandista

segunda-feira, 12 de abril de 2010

CAMINHO...

repassando
"Sim, seu caminho é a Umbanda enquanto você valorizar a experiência espiritual com os Orixás, Guias e Mensageiros do Astral que se desdobram em muitas formas para te auxiliar. Seu caminho é e sempre será a Umbanda, enquanto você acender uma vela e sentir que ela fala contigo, enquanto você escutar o som do atabaque e seu corpo aquecer num compasso de vibrações e arrepios, enquanto você sentir o aroma das ervas transmutadas em fumaça ao contato com a brasa incandescente e for acometido da sensação de estar sendo transportado para outro lugar, a Umbanda continuará sendo seu caminho enquanto o brado dos Caboclos te arrepiar, o silêncio dos Pretos Velhos te emocionar, o gracejo dos Baianos te alegrar, a sinceridade dos Exus te curvar, a simpatia das Pomba Giras te atrair e a ciranda dos Erês te relembrar que, apesar dos pesares, o mais importante é não perder a pureza das crianças".

domingo, 11 de abril de 2010

Diga Sou Umbandista ao censo

Saravá, Irmãos! DIGA COM ORGULHO,SOU UMBANDISTA!
Há algum tempo, circulou na internet um texto sobre o Censo de 1991 e 2000. Acredito que era de autoria do irmão Alex de Oxossi, mas não tenho certeza.
Naquele tempo, o autor do texto mostrou de forma tão assustadora a queda no número de adeptos da nossa Religião. Mostrou que o nosso povo estava deixando de ser umbandista. Isso é preocupante...
O Censo não mente. É de muito crédito aquilo que é divulgado como resultado das pesquisas.
Precisamos analisar com frieza o que aconteceu no Censo de 2000.
O que terá acontecido com os umbandistas da época? Por quê o número de adeptos da Umbanda caiu tanto?
Será que nossos irmãos ficaram com vergonha de dizer que eram umbandistas?
Será que responderam que eram espíritas, ou católicos?
Será que houve uma grande evasão e abandonaram a Umbanda e se tornaram evangélicos?
Será que não fomos entrevistados pelos trabalhadores do Censo?
Abaixo transcrevo o texto mencionado para que os irmãos reflitam sobre o assunto.
Aos Pais e Mães de Terreiro fica um apelo: mostrem aos seus filhos a importância em revelar sua identidade religiosa ao Mundo.
Aos filhos de terreiro cabe a coragem e o orgulho em dizer a todos que Somos Umbandistas, Graças a Deus!
"Radiografia da Umbanda
Afinal quantos somos?

domingo, 4 de abril de 2010

Festa de ogum

A Casa Branca de Oxala,seus médiuns e fiéis irá realizar no dia 21 de Abril às 20:00 horas, na Rua Senador Modestino Gonçalves 81 Lagoa Santa Minas Gerais
a Homenagem ao Orixá Ogum.

"ERA DE MADRUGADA QUANDO EU OUVI O TOQUE DE ALVORADA...
OGUM IARA COM SUA ESPADA NA MÃO...
SEU SETE ONDAS, BEIRA MAR, OGUM MEGÊ, OGUM ROMPE MATO, OGUM IARA, OGUM MATINATA, OGUM...
MEU PAI OGUM COM SUA ESPADA NA MÃO,
PARA NOS DEFENDER DE TODOS OS NOSSOS CONFLITOS...
AO LONGE JÁ SE VIA UM BATALHÃO,
ERA SEUS FILHOS NA UMBANDA CANTANDO ESTE REFRÃO:
OGUM! OGUM! VEM ABRIR NOSSOS CAMINHOS... VENHA PRA NOS PROTEGER.
OGUNHÊ PATACURI".

OGUM: DIVINDADE MASCULINA IORUBÁ, BASTANTE CULTUADO NO BRASIL, ESPECIALMENTE POR SER ASSOCIADO À LUTA, À CONQUISTA. É GUERREIRO SEMPRE FOI A FIGURA MÍTICA DO DEUS MAIS INVOCADA, JÁ QUE É SUA FUNÇÃO REALIZAR NO ASTRAL AS GUERRAS QUE OS SERES HUMANOS NÃO CONSEGUEM TRAVAR OU VENCER NA SUA LUTA COTIDIANA. OGUM, ORIXÁ DA GUERRA, DO FERRO E DO METAL. FERREIRO POR PROFISSÃO , POIS SEMPRE FEZ AS FERRAMENTAS PARA AS LIDAS COM A TERRA; É TAMBÉM O ORIXÁ QUE VENCEU MUITAS BATALHAS POR AMOR. OGUM SERÁ SEMPRE NOSSO DEFENSOR E ESTÁ SEMPRE DISPOSTO A NOS AJUDAR E A DEFENDER UMA JUSTA CAUSA.

COR A SER MENTALIZADA: VERMELHO

O QUE SER MENTALIZADO: AS CAMPINAS, ESTRADAS DE TERRA E DE FERRO.

ELEMENTO: ÁGUA, TERRA, FOGO E AR

CÂNTICO: VIBRANTES, FORTES, PEDINDO A OGUM FORÇA E CORAGEM PARA VENCER SUAS GUERRAS INTERIORES.

QUANDO OGUM FOI PARA A GUERRA
ELE MANDOU ORA, ORA
QUANDO OGUM VENCEU A GUERRA
ELE MANDOU ORA, ORA
ORA, ORA, ORA, ORA É VENCER (BIS)

GUIAS: AS GUIAS DE OGUM SÃO VERMELHAS DE CRISTAL. EM NOSSA CASA BRANCA PADRONIZAMOS A GUIA DE CRISTAL Nº 8. SÃO FEITAS EM MÚLTIPLOS DE 7 DE FORMA A CONTORNAR O PLEXO SOLAR. ESTA GUIA SÓ PODE SER USADA PELOS MÉDIUNS QUE SE AFINAM DE UMA FORMA INCOMUM COM ESTA ENERGIA, APÓS ENTENDIMENTO E CONVERSA COM OS ZELADORES, E DEVE NASCER APÓS A QUINTA OBRIGAÇÃO: (OS DOIS ORIXÁS), QUE É DADA PELOS ZELADORES DA CASA E SOB SUA RESPONSABILIDADE.

CARACTERÍSTICAS DE SEUS FILHOS:
OS FILHOS DE OGUM POSSUEM UM TEMPERAMENTO UM TANTO VIOLENTO, SÃO IMPULSIVOS, BRIGUENTOS E CUSTAM A PERDOAR AS OFENSAS DOS OUTROS. NÃO SÃO MUITO EXIGENTES NA COMIDA, NO VESTIR, NEM TÃO POUCO NA MORADIA, COM RARAS EXCEÇÕES. SÃO SEMPRE PESSOAS VALENTES, DESTEMIDAS, VIVEM EM BUSSCA DE NOVOS OSBJETIVO
PELAS PRÓPRIAS CARACTERÍSTICAS DESTE ORIXÁ, VEMOS. OS FILHOS DE OGUM SÃO MUITO MAIS PAIXÃO DO QUE RAZÃO.SÃO AMIGOS CAMARADAS, PORÉM ESTÃO SEMPRE ENVOLVIDOS COM DEMANDAS. DIVERTIDOS, DESPERTAM SEMPRE INTERESSE NAS MULHERES, TEM SEGUIDOS RELACIONAMENTOS, E NÃO SE FIXAM MUITO A UMA SÓ PESSOA ATÉ REALMENTE ENCONTRAREM SEU GRANDE AMOR
DIA EM QUE SE COMEMORA OGUM: 23 DE ABRIL. (DE ACORDO COM O CALENDÁRIO OFICIAL DE UMBANDA).

DIA DA SEMANA: TERÇA-FEIRA

O QUE PEDIR A ESTE ORIXÁ: FORÇA NAS DEMANDAS, NAS GUERRAS INTERIORES, NAS BATALHAS DO DIA A DIA.

FLORES: ROSAS VERMELHAS, CRAVOS VERMELHOS, PALMAS VERMELHAS, CRISTA DE GALO, ESPADA DE OGUM.

FRUTAS: MANGA ESPADA, CAJÁ, COCO, CAJARANA, CAJÁ-MIRIM.

ERVAS: ESPADA DE OGUM, TAIOBA, MANGUEIRA, DRACENA, JAMBO AMARELO, JAMBO VERMELHO, LOSNA, VASSOURINHA DE RELÓGIO, PALMEIRA DO DENDEZEIRO, CAJAZEIRA, AÇOITA CAVALO, AROEIRA, DRACENA VERMELHA, CARQUEJA, EUCALIPTO, AGRIÃO, ETC.
AÇOITA CAVALO – IVITINGA, AÇUCENA RAJADA – CEBOLA CENCÉM, AGRIÃO, ARNICA ERCA LANCETA, AROEIRA
CABELUDA BACUICA, CANA DE MACACO, CANA DE BREJO – UBACAIA, CANJERANA – PAU SANTO, CARQUEJA, CRISTA DE GALO – PLUMA DE PRÍNCIPE
DRAGOEIRO – SANGUE DE DRAGÃO
ERVA-TOSTÃO
GRUMIXAMEIRA, GUARABU – PAU ROXO
HELICÔNIA
JABUTICABA, JAMBO AMARELO, JAMBO ENCARNADO, JAPECANGA, JATOBÁ – JATAÍ, JUCÁ
LIMÃO BRAVO, LOSNA
ÓLEO PARDO
PIRI-PIRI, POINCÉTIA, PORANGABA
SANGUE DE DRAGÃO, SÃO GONÇALINHO
TANCHAGEM
VASSOURINHA DE IGREJA
( ESTAMOS REPETINDO ALGUMAS DA LISTA PARA GRAVAREM MAIS)

BEBIDAS: CERVEJA BRANCA, VINHO SECO OU RASCANTE, VINHO DE PALMA, SUMO DE SUAS PRÓPRIAS ERVAS E FRUTOS.

MINERAL: FERRO

SAUDAÇÃO: "PATA KORI OGUM! OGUNHÊ! "
IMPORTANTE, SUPREMO. OGUM SOBREVIVEU FORTE

OFERENDAS: TODAS AS VEZES QUE OS ZELADORES, OU DIREÇÃO ESPIRITUAL DA CASA , PERCEBEREM A NECESSIDADE DE UM FILHO FAZER UMA OFERENDA PARA UM ORIXÁ, LHE SERÁ DADO O PEDIDO E MARCADO O DIA
A SER FEITO.


OBI ( VERMELHO) PARA OGUM

MATERIAL NECESSÁRIO:

7 OBÍS( FRUTO DE ORIGEM AFRICANA DE GRANDE IMPORTÂNCIA NO CULTO AFRO BRASILEIRO ENCONTRADO EM LOCAIS QUE VENDE ARTIGOS RELIGIOSOS.) ,1 QUILO DE FARINHA CRUA DE MANDIOCA UMA VASILHA DE BARRO(ALGUIDAR), UMA VELA DE 7 DIAS,E 1 COPO MÉDIO DE AZEITE DE DENDÊ.

MODO DE PREPARAR.

RALAR OS OBÍS FAZER UMA FAROFA DE FARINHA E DENDÊ, DEPOIS MISTURAR OS OBÍS FAZENDO SEUS PEDIDOS. QUANDO A FAROFA ESTIVER PRONTA ASCENDER UMA VELA PARA OGUM.


FEIJÃO PARA OGUM

MATERIAL NECESSÁRIO:

1 KG DE FEIJÃO PRETO, 2 CEBOLAS BRANCAS 250 ML DE AZEITE DE DENDÊ SAL A GOSTO.

MODO DE PREPARAR:

COZINHAR O FEIJÃO EM ÁGUA DEPOIS DE COSIDO O FEIJÃO E QUASE SECO REFOGAR COM AS CEBOLAS TRITURADAS E FRITAS NO DENDÊ COLOCANDO SAL A GOSTO.DEPOIS DE PRONTO POR A COMIDA EM UM ALGUIDAR DE BARRO E OFERECER A OGUM.]



OFERENDA DE INHAME

INGREDIENTES

TRÊS INHAMES OU CARÁ
AZEITE DE DENDÊ
MEL
UMA GARRAFA DE CERVEJA BRANCA OU VINHO TINTO
VELA VERMELHA DE 7 DIAS
VINTE E UM PALITOS. (O IDEAL SERIA QUE OS PALITOS FOSSEM FEITOS DO CAULE DA PALMA DO DENDEZEIRO; COMO É DIFÍCIL, PODE SER USADO OUTRO VEGETAL).
1 ALGUIDAR

MODO DE FAZER

ASSAM-SE OS INHAMES COM CASCA, NO FORNO, DEIXANDO ESFRIAR DENTRO DO ALGUIDAR OU TRAVESSA. EM SEGUIDA, ENFIAM-SE UM A UM OS PALITOS, FAZENDO-SE OS PEDIDOS, CANTANDO OU ORANDO. TERMINANDO, COBRE-SE COM AZEITE DE DENDÊ, DEPOIS MEL. ABRE-SE A CERVEJA OU VINHO TINTO, SALVANDO EM VOLTA, DERRAMANDO UM POUCO DO LÍQUIDO E DEIXANDO O RESTANTE AO LADO DO ALGUIDAR OU TRAVESSA, COM A VELA ACESA. CHARUTO É NECESSÁRIO. EMBORA NÃO SEJA OBRIGATÓRIO.

OFERENDA DE FEIJÃO

INGREDIENTES

UM QUILO DE FEIJÃO MULATINHO
AZEITE DE DENDÊ
CEBOLA
FARINHA DE MANDIOCA
VELA VERMELHA DE 7 DIAS
CHARUTO
CERVEJA BRANCA OU VINHO TINTO
3 OVOS COZIDOS
1 ALGUIDAR

MODO DE FAZER

TORRA-SE O FEIJÃO EM UMA FRIGIDEIRA, COM UM POUCO DE AZEITE DE DENDÊ; PREPARA-SE UMA FAROFA, TAMBÉM COM DENDÊ E CEBOLA. NO FUNDO ALGUIDAR COLOCA-SE A FAROFA, EM SEGUIDA UMA CAMADA DE CINCO RODELAS DE CEBOLA; DEPOIS, PÕE-SE O FEIJÃO TORRADO, COBERTO DE RODELAS DE CEBOLA E OVOS. O CHARUTO, A VELA E A CERVEJA OU VINHO, VÃO AO LADO.


AIPIM PARA OGUM

INGREDIENTES

AIPIM (MACAXEIRA, MANDIOCA)
AZEITE DOCE
MEL
CERVEJA BRANCA
CHARUTO
VELA 7 DIAS VERMELHA
1 ALGUIDAR


MODO DE FAZER

COZINHAR O AIPIM, AMASSÁ-LO, PARA EM SEGUIDA FAZER BOLINHOS; REGA-SE COM O AZEITE DOCE E O MEL. A VELA, O CHARUTO E A CERVEJA, VÃO AO LADO.

PALITEIRO PARA OGUM VENCER DEMANDAS

INGREDIENTES

UM CARÁ GRANDE, UM PACOTE DE PALITOS PARA DENTE
MEL DE ABELHA
UM PACOTE DE PALITOS PARA DENTE

MODO DE FAZER

COLOQUE O CARÁ NA BOCA DO FOGÃO PARA QUEIMAR A CASCA; EM SEGUIDA O RETIRE COM UMA FACA BEM AMOLADA; COLOQUE OS PALITOS UM A UM. DEPOIS, COLOQUE NO ALGUIDAR E REGUE COM MEL.

FEIJOADA DE FEIJÃO CAVALO

INGREDIENTES

MEIO QUILO DE FEIJÃO CAVALO
SALGADOS DE PORCO
TEMPEROS
AZEITE DE DENDÊ
CEBOLA

MODO DE FAZER

CATE E LAVE O FEIJÃO CAVALO EM UMA PANELA; FAÇA UM REFOGADO DE AZEITE DE DENDÊ COM CEBOLA, COLOCANDO EM SEGUIDA O FEIJÃO PARA COZINHAR, COM TODOS OS SALGADOS E TEMPEROS; DEPOIS DE COZIDO, COLOQUE EM UMA PANELA DE BARRO E OFEREÇA PARA OGUM.

CARÁ PARA OGUM

INGREDIENTES
MEIO QUILO DE CARÁ
CAMARÃO SECO
CEBOLAS

MODO DE FAZER
DESCASQUE E CORTE O CARÁ, COLOCANDO-O EM UMA PANELA COM O CAMARÃO SECO E A CEBOLA RALADA; REGUE COM UM POUCO DE AZEITE DE DENDÊ E LEVE AO FOGO BRANDO POR 30 MINUTOS. DEPOIS DE TUDO COZIDO, COLOQUE EM UM ALGUIDAR E ENFEITE COM CAMARÕES SECOS.

ANGU DE ARROZ
DESMANCHE O FUBÁ DE ARROZ EM LEITE DE COCO RALO, FRIO.
TEMPERE COM SAL E LEVE AO FOGO PARA COZINHAR, SEM PARAR DE MEXER.
QUANDO ESTIVER COZIDO, PODE JUNTAR O LEITE DE COCO PURO, FERVENDO
POR MAIS UM OU DOIS MINUTOS. DESPEJE EM FORMA MOLHADA, DEIXE ESFRIAR
E DESENFORME NUM PRATO.
O ANGU É O ACOMPANHANTE CORRETO DO VATAPÁ E NÃO O PIRÃO QUE
COSTUMA SER SERVIDO.

quarta-feira, 31 de março de 2010

SABER OUVIR

Redação do Momento Espírita


Thomas Edison, o inventor da lâmpada, perdeu boa parte de sua capacidade auditiva quando tinha doze anos de idade.

Só podia ouvir os ruídos e gritos mais fortes.

Isso, no entanto, não o incomodava.

Certa vez, indagado a respeito da sua deficiência, respondeu com serenidade:

“Não ouço um passarinho desde meus doze anos, mas em vez disso constituir uma desvantagem, minha surdez talvez tenha sido benéfica para mim. Ela encaminhou-me muito cedo à leitura e, além disso, pude sempre concentrar-me com rapidez, já que me encontrava naturalmente desligado de conversações inúteis.”

A singela observação guarda grande ensinamento.

A maior parte de nós tem plena capacidade auditiva, mas isso não significa necessariamente que tenhamos o dom de saber ouvir.

Embora a audição seja uma dádiva maravilhosa, não há como negar que poucos, muito poucos de nós, dominamos a arte de ouvir.

Ainda não conseguimos ouvir os queixumes dos outros sem que atravessemos um comentário a respeito da nossa própria desdita.

Deixamos assim de escutar as histórias dos outros, para narrar a nossa própria, como se apenas esta fosse digna de ser registrada e conhecida.

Ainda não conseguimos ouvir as críticas que nos fazem.

Em poucos instantes já estamos irritados e ofendidos, mais preocupados em nos defender ou até em agredir verbalmente o outro.

Ouvir com serenidade tudo o que nos querem falar, por ora, parece ser superior às nossas forças.

Ainda não conseguimos ouvir conselhos e orientações que sejam dirigidas à nossa melhoria íntima.

Esse tipo de conversa sempre nos parece aborrecida e sem sentido, afinal, muitas dessas palavras sábias representariam mudança de conduta e o abandono de muitos vícios.

Não estamos dispostos a isso.

Mas se a conversa gira em torno de maledicências, aí então, os ouvidos parecem ficar mais capazes de registrar sons e nosso interesse fica aguçado.

O sono passa e sempre há tempo para querer saber algum detalhe a mais a respeito do assunto.

Muita conversa inútil preenche nossas horas e consome nosso tempo.

Muitos exemplos infelizes são tomados como modelos de atitude, por equívoco daqueles que os ouvem.

Inúmeras dificuldades são criadas em nossa intimidade pelo desequilíbrio gerado pela maledicência.

Por outro lado, muitos amigos precisam de nós para um diálogo saudável e nós não temos sensibilidade suficiente para deixá-los falar.

Muitas palavras acertadas que nos auxiliariam a não incidir mais uma vez no mesmo erro, deixam de ser escutadas por desatenção.

* * *

A capacidade de ouvir não se limita exclusivamente à possibilidade de captar sons.

Temos sido surdos em um mundo repleto de sons e de melodias que poderiam transformar nossas vidas em sinfonias de amor e de realização.

Temos sido criaturas incapazes de perceber palavras e histórias maravilhosas que ilustram a existência dos seres que nos cercam e que muito poderiam nos ensinar.

Temos sido deficientes auditivos quando se trata de escutar verdadeiramente aquilo que precisamos ouvir.

É necessário e urgente que desenvolvamos a real capacidade de ouvir.


"Temos dois ouvidos e apenas uma língua, para podermos ouvir mais e falar menos" -
-Diógenes-
Filósofo grego
-412 à 323 a. C.
________________________________________

segunda-feira, 29 de março de 2010

SEXTA FEIRA DA PAIXÃO E CRISTO

www.casabrancadeoxala.org

A PAIXÃO DE CRISTO

A Paixão de Cristo, de acordo com nossa cultura, extremamente influenciada pela visão judaico-católica, representa um dia de tristeza, de ações de “mea culpa”, onde todos, de alguma maneira se sentem um pouco ou muito, de Judas em si, culpado pela morte de Cristo na Cruz. As vertentes religiosas advindas dessa cultura predominante, nos querem fazer crer que Cristo morreu na cruz para nos redimir dos nossos pecados. Mas como então podemos ter o pecado original? Este somente como exemplo.
Na verdade a intenção dos defensores dessa estranha idéia é de criar, em todos nós, o sentimento de que somos culpados pelo sofrimento de Cristo, e que por isso devemos nos redimir de nossos pecados perante o Pai para que sejamos perdoados e podermos entrar no Reino dos Céus. Por isso é necessário um Deus vingativo e punitivo, pois não fazendo o que nos diz essas religiões estaremos condenados ao fundo do Inferno. Como poderíamos imaginar uma troca que já vai entrando em seu terceiro milênio continuar resgatando pecados tão mais recentes e diferentes daquilo que eram naquela época? Qual seria o Deus Tirânico que pediria a vida de seu filho mais querido em troca da salvação de nossos espíritos, que, segundo essas mesmas crenças, estão tão longe desse mesmo Deus?
Na verdade, o que Jesus veio nos trazer foi a capacidade de vermos a possibilidade de também desenvolvermos nossa Centelha Divina, atingindo ao final de nossas vidas encarnadas o nosso próprio estado Crístico. Foi a certeza de nossas reencarnações, passadas e futuras, e de que a todos nós nos é dado o poder de evoluir e atingir nossa plena luminosidade ao final de um certo número de vidas.
A primeira coisa que devemos lembrar é que na Umbanda não temos a figura do pecado e, portanto, também não temos a culpa. Temos na Umbanda é a responsabilidade pelos nossos atos. Por isso mesmo é que Cristo ao vir e morrer na cruz em um sacrifício ele veio nos mostrar que o Espírito será reencarnado para a continuidade de seu aprendizado. E isto é o ensinamento maior de Cristo. Morre o corpo denso, mas sobrevive o Espírito que é a forma mais sutil da Energia Vital, do Fluido Universal.
Assim, a ressurreição é uma garantia de que, a cada novo reencarnar, nossa evolução estará em um estado de maior elevação espiritual. O aparecimento de Cristo para Madalena e, posteriormente para seus apóstolos, ele vem nos mostrar a possibilidade de comunicação que temos com Espíritos e a verdade de eles voltarem à vida com a finalidade de dar continuidade ao processo de evolução. Sempre voltamos em condições de maior nível de evolução. O simbolismo da Paixão de Cristo enquanto uma forma de demonstrar que a ressurreição do Espírito. Quando se diz que Cristo veio para resgatar os pecados do mundo não significa que os pecados do mundo desapareceriam após sua vinda. Significa sim, que à medida que nossos espíritos forem aprendendo a sua doutrina, o seu Evangelho, estaremos mais evoluídos. Cristo por isso mesmo veio para nos mostrar que nesse mundo os Espíritos não vêm para sofrer ou pagar, mas para aprender e se reconciliar com suas vidas passadas. É um aprendizado de resignação e de fé. Teremos assim em vidas futuras a possibilidade de assumir as responsabilidades que tivemos em vidas passadas e aprender com o novo período de vida encarnada a superar aquelas que eram nossas deficiências espirituais. Nossa vida espiritual é uma espiral ascendente, rumo ao Fluido Universal Infinito, que é nossa Origem e nosso Destino, Deus.
O cumprimento da missão de Cristo enquanto filho de Deus, que veio como cordeiro de Deus para sacrificar-se pelo mundo, teve de contar, entre os personagens que participaram direta ou indiretamente de sua vida, com diferentes e importantes papéis entre eles. Assim, o fato dos sacerdotes hebreus terem tomado a atitude de entregar Jesus - o Cristo – nada mais fizeram do que aquilo que estava determinado. Quando Judas vai e entrega Cristo, está cumprindo uma das partes mais árduas da missão Crística: a de permitir que Cristo fosse preso, na calada da noite, para passar pelo seu Calvário e consumar sua missão.
Quando Jesus, ao expirar, pronuncia as palavras “Consumatun est” (está finalizado, está consumado) ele não está, como já vimos anteriormente referindo-se à finalização do sopro da vida naquele corpo denso – de Jesus – mas à missão de Cristificação de Jesus. Ali o homem deixa definitivamente de existir para passar a existir somente a Energia Crística, o Cristo.
Assim, a sexta feira da Paixão não pode ser vista como um momento de tristeza, mas de alegria; não de culpa mas de libertação pois foi exemplo maior de Jesus que nos demonstrou que o homem pode chegar até onde ele próprio chegou. Jesus veio nos ensinar isso, e conseguiu, pois se não o tivesse conseguido sua mensagem não estaria presente por mais de dois milênios e até hoje sem que tenhamos conseguir aprender em toda a profundidade seus ensinamentos. Essa é a nossa alegria que se consuma exatamente na sexta feira da Paixão.
Cristo nos ensina que teremos condições de superar nossas deficiências espirituais e, plenamente desenvolvidos, luminosos e sábios nos colocaremos frente a Deus. Ensina que temos salvação sim, que nenhum Espírito se perde nesse mundo, que nos elevaremos ao seu nível sim. Então esse é um momento que deveríamos comemorar as oportunidades que Jesus – o Cristo- nos veio trazer.
Ainda é um momento de alegria quando Cristo nos mostra que o Espírito é imortal, ao se mostrar aos seus discípulos como uma luz com forma de Jesus (perispírito), apenas aumenta sua materialidade a mandar que Tomé tocasse suas chagas. E por que Cristo se mostra sob a forma de Jesus? Porque somente assim os apóstolos poderiam reconhecê-lo. O que mais queremos para comemorar? Cristo nos mostrou o nível de evolução espiritual que poderemos chegar que é o de essência fluídica extremamente sutil, intocável, enfim plenamente luminoso e sábio.
Assim, quando Cristo veio há mais de 2000 anos, não veio apenas no sentido estrito de apagar os pecados da humanidade, pois, como vimos eles continuam a acontecer, mas veio no sentido amplo de nos mostrar o caminho da nossa evolução. Demonstremos nosso agradecimento, nossa alegria e nossa compreensão sobre a missão Crística de Jesus na terra.
Na Umbanda podemos demonstrar toda essa compreensão da missão Crística ao compreendermos a missão de nossa Religião na Terra: a manifestação do Espírito para a prática da Caridade. Pretos Velhos, Caboclos, Exus, Crianças e outras entidades de Luz, que se apresentam para os trabalhos na Umbanda, ajudam-nos a obter essa compreensão através dos seus passes de harmonização, conselhos, de seu apoio nos momentos difíceis e sempre servindo para nós como exemplos de Espíritos em estagio superior de evolução.
"DEUS É TÃO BOM QUE MESMO AQUELES QUE NÃO ACREDITAM EM DEUS UM DIA VERÃO A DEUS."

Mãe Maria e Pai Solano
Casa Branca de Oxalá

sexta-feira, 26 de março de 2010

Gira de descarrego e saúde à diistância

SESSÃODE SAÚDE E DESCARREGO A DISTÂNCIA

Todas as mensagens serão encaminhadas para a Sessão DE DESCARREGO E SAÚDE, e colocadas para Irradiação à Distância (Sessão que se realiza nas últimas 4º feiras partir das 20:00 Horas). Através do Nome e Endereço e definir qual a parte da gira a pessoa precisará, se descarrego ou saúde. Mandaremos uma ficha a parte para aqueles que se manifestarem e quiserem participar . É um trabalho de grande eficiência realizado pelas Entidades-Guias, que assistem à Mediúnicamente a reunião que é dirigida pelo Pai Antônio de Aruanda.( Não é o Pai Antônio do início da Umbanda e incorporava em Zélio de Moraes.Este não Incorpora mais).os emails podem ser encaminhados para maemaria33@terra.com.br com prazo mínimo de dois dias

quarta-feira, 24 de março de 2010

Sincretismo

O QUE É O SINCRETISMO RELIGIOSO?

VEJAMOS NO DICIONÁRIO:
SINCRETISMO:SUBSTANTIVO MASCULINO
ATO OU FATO DE SE COLIGAREM PARTES INIMIGAS; CONCILIAÇÃO
RUBRICA: RELIGIÃO.

FUSÃO DE DIFERENTES CULTOS OU DOUTRINAS RELIGIOSAS, COM REINTERPRETAÇÃO DE SEUS ELEMENTOS.

NAQUELA ÉPOCA OS NEGROS ERAM TRAZIDOS PARA O BRASIL, E PARA AS CASAS DE SEUS SENHORES, OBRIGADOS A SEREM BATIZADOS, RECEBER UM NOME BRASILEIRO E ADOTAR A DOUTRINA CATÓLICA...ENTÃO CADA SANTO TOMOU O SEU PAPEL DE ORIXÁ, MAS NA REALIDADE OS PRIMEIROS NEGROS NÃO CULTUAVAM OS SANTOS.
NO CASO DOS ORIXÁS VEMOS COM MAIS PROPRIEDADE O SINCRETISMO, E NO NOME DAS ANTIGAS TENDAS E TERREIROS DE UMBANDA O NOME DE SANTOS CATÓLICOS OU NOMES YORUBANOS.
VAMOS CONCLUIR QUE O SINCRETISMO RELIGIOSO QUE OS NEGROS FAZIAM E SE FAZIAM ERA PARA NÃO SOFRER AS DURAS PENAS DE SEUS SENHORES. UM NEGRO QUANDO ESTAVA LOUVANDO SÃO JORGE NA REALIDADE ELE ESTAVA LOUVANDO OGUM,OU TATETO INCOSSUBURÊ OU O NOME QUE LEVAVA DE ACORDO COM A NAÇÃO E O LUGAR ONDE ELE VIVERA ANTES DO CATIVEIRO.UM HÁBITO QUE TEMOS E NÃO SABEMOS PORQUE É DE CHEGAR A UMA CASA DE UMBANDA OU CANDOMBLÉ E SALDAR O CHÃO E DEPOIS O CONGÁ.ANTIGAMENTE QUANDO O NEGRO CONSTRUÍA UMA IGREJA OU UMA CAPELA ELE ERA OBRIGADO A COLOCAR O QUE O SENHOR BRANCO MANDAVA NOS ALTARES.ELE ASSIM O FAZIA, MAS NO CHÃO ELE "PLANTAVA" OS SEUS FUNDAMENTOS.ENTÃO NA HORA DE REZAR ELE REZAVA PARA OS SEUS ORIXÁS.AS SETE PRIMEIRAS TENDAS FUNDADAS POR ZÉLIO DE MORAES TÊM NOME DE SANTO CATÓLICOS POR CAUSA DA PERSEGUIÇÃO RELIGIOSA QUE A IGREJA TINHA COM A UMBANDA OU CANDOMBLÉ.
REMEMORANDO AS TENDAS SÃO:


1-TENDA N. SRA. DA CONCEIÇÃO PRES. LEAL DE SOUZA
2-TENDA N. SRA. DA GUIA
3-TENDA SANTA BÁRBARA PRES. JOÃO SALGADO
4-TENDA SÃO PEDRO PRES. JOSÉ MENDES
5-TENDA OXALÁ PRES. PAULO LAVOIS
6-TENDA SÃO JORGE JOÃO SEVERINO RAMOS
7-TENDA SÃO JERÔNIMO PRES. JOSÉ ÁLVARES PESSOA


O QUE É KIMBANDA?

"REGISTRA A GRAMÁTICA DE KIBUNGO, DO PROFESSOR JOSÉ L. QUINTÃO, PÁGINA 107"
UMBANDA ARTE DE CURAR : QUIMBANDA QUER DIZER O CURANDEIRO.
VAMOS OBSERVAR TAMBÉM AS VÁRIAS DEFINIÇÕES DE QUIMBANDA OU KIMBANDA
QUIMBANDA OU ( KIMBANDA ) TEM SUA FONTE DE ORIGEM NO QUIBUNDO QUE É UMA MISTURA DE DIALETOS AFRICANOS, CRIADO PELO GOVERNO PARA SER ENSINADO NAS ESCOLAS DAS COLÔNIAS PORTUGUESAS, AFIM DE QUE TODOS ANGOLENSES SE ENTENDESSEM ENTRE SI NAS REGIÕES TRIBAIS DE ANGOLA E MOÇAMBIQUE.
BASEADO NESTA ESTRUTURA VEJAMOS: QUIM OU KIM, QUER DIZER EM LINGUAGEM AFRICANA, MÉDICO OU GRÃO-SACERDOTE DOS CULTOS BANTOS. BANDA QUER DIZER LUGAR OU CIDADE.
CHEGAMOS À CONCLUSÃO DE QUE EM NOSSO IDIOMA, QUIMBANDEIRO QUER DIZER GRÃO-SACERDOTE DOS CULTOS BANTOS, VINDOS DE ANGOLA, MOÇAMBIQUE E BENGUELA.

QUIMBANDA = CURANDEIRO-ADIVINHO, NECROMANTE, EXORCISTA, MAGO, POR EXTENSÃO- MÉDICO, BENZEDEIRO, TODO AQUELE QUE BUSCA A ANUNCIAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DOS FATOS, ATRAVÉS DOS MAIS VARIADOS PROCESSOS.

O QUIMBANDA TRATA AS ENFERMIDADES DIAGNOSTICADAS POR ADIVINHAÇÃO, DEBELA OS AZARES, RESTABELECE A HARMONIA E FAZ A ANULAÇÃO DE DEMANDAS.
BUSCA A CURA, NAS MATAS, CAMPOS, CACHOEIRAS, MARES, ENFIM NOS ELEMNTOS DA NATUREZA, AONDE VAI EM BUSCA DE PLANTAS MEDICINAIS E ENERGIAS CURADORAS.
KIMBANDA = CURANDEIRO, MAGICO (DICIONÁRIO DE KIMBUNDU-PORTUGUÊS COORDENADO POR J.D. CORDEIRO DA MATTA.)
VAMOS NOS LEMBRAR AQUI DE UM PONTO DE PAI ANTÔNIO CANTADO NA TENDA NOSSA SENHORA DA PIEDADE E CANTADO TAMBÉM EM NOSSA CASA.

"DA LICENÇA PAI ANTÔNIO
EU NÃO VIM TE VISITAR
EU ESTOU MUITO DOENTE
PAI ANTÔNIO VAI CURAR
SE A DOENÇA TEM FEITIÇO
DEIXA LÁ EM SEU CONGÁ
SE A DOENÇA VEM DE DEUS
PAI ANTÔNIO VAI CURAR
PAI ANTÔNIO É QUIMBANDA É CURADOR
É PAI DE MESA É REZADOR
PAI ANTÔNIO É QUIMBANDA É CURADOR"

segunda-feira, 15 de março de 2010

Diga Sou Umbandista ao censo

Repassando da internet

Saravá, Irmãos! DIGA COM ORGULHO,SOU UMBANDISTA!
Há algum tempo, circulou na internet um texto sobre o Censo de 1991 e 2000. Acredito que era de autoria do irmão Alex de Oxossi, mas não tenho certeza.
Naquele tempo, o autor do texto mostrou de forma tão assustadora a queda no número de adeptos da nossa Religião. Mostrou que o nosso povo estava deixando de ser umbandista. Isso é preocupante...
O Censo não mente. É de muito crédito aquilo que é divulgado como resultado das pesquisas.
Precisamos analisar com frieza o que aconteceu no Censo de 2000.
O que terá acontecido com os umbandistas da época? Por quê o número de adeptos da Umbanda caiu tanto?
Será que nossos irmãos ficaram com vergonha de dizer que eram umbandistas?
Será que responderam que eram espíritas, ou católicos?
Será que houve uma grande evasão e abandonaram a Umbanda e se tornaram evangélicos?
Será que não fomos entrevistados pelos trabalhadores do Censo?
Abaixo transcrevo o texto mencionado para que os irmãos reflitam sobre o assunto.
Aos Pais e Mães de Terreiro fica um apelo: mostrem aos seus filhos a importância em revelar sua identidade religiosa ao Mundo.
Aos filhos de terreiro cabe a coragem e o orgulho em dizer a todos que Somos Umbandistas, Graças a Deus!
"Radiografia da Umbanda
Afinal quantos somos?

Para responder a esta questão incluímos abaixo uma tabela com os dados de 1991:

Já no censo de 2000, foram separadas as duas Religiões - Candomblé e Umbanda, onde observamos:

Candomblé: 139.328
Umbanda: 432.001
Um total de 571.329 praticantes.

A resposta a questão proposta acima é facilmente respondida: O número de adeptos da Umbanda é 3,1 vezes maior do que o do Candomblé (210 %).

Uma questão para nossa observação: Houve uma diminuição de 648.463 para 571.329 ,num montante de 77.134 pessoas (11,89%).

Se estudarmos com cuidado os dados veremos que praticamente todas as Religiões aumentaram seus números absolutos, com exceção da nossa.

Julio Cezar Gomes Pinto

Livre Arbítrio

O livre arbítrio na Umbanda é pedra fundamental em sua filosofia. Não se pode pensar uma religião que acredita em reencarnação, responsabilidade pelos atos, vida após a morte, não acreditar em livre arbítrio. O que não podemos confundir é com o livre arbítrio no Kardecismo, que pode levar o espírito a penas e castigos pelo seu exercício. No caso, se ele comete uma ação prejudicial a alguém ele será punido por essa ação. Na Umbanda uma ação prejudicial não gera punição, gera responsabilidade e demonstra necessidade de aprendizado. Mesmo o aprendizado virá no momento (vida) que aquele espírito decidir ou reconhecer a necessidade do aprendizado. Somos livres para programar nossa vida. Não morremos para vir em outra vida pagar pelo que fizemos na anterior. Aprenderemos na próxima vida aquilo que nosso espírito decidir que é o momento de aprender. Algo que não sabemos hoje, poderá levar um grande número de reencarnações até aprendermos, isso também é feito através do livre arbítrio.

sexta-feira, 12 de março de 2010

A FÉ

A FÉ

Pai Solano de Oxalá

A Fé é um processo que vem sendo determinado e medido inclusive pela ciência através de experiências feitas em inúmeros países. A fé e o poder da Oração feita com Fé já foram testados em casos de saúde e demonstraram sua efetividade. A Fé, no entanto, não pode se confundir com ansiedade. Muitos dizem ter Fé, mas na verdade estão ansiosos, desejosos, torcem para que aquilo que desejam ocorra, mas não com Fé, com desejo, vontade, etc.. Quantos, na demora no atendimento à sua vontade, emitem conceitos negativos (do tipo, somente eu não consigo, acontece somente comigo, como sou infeliz, etc. etc. etc.) que vão para o espaço, e retornam à mesma pessoa, seja pela emissão de vibrações negativas. Tudo isso acontece pela falta de Fé, confundida com a ansiedade que tem na busca de solução para seus problemas pessoais. A Fé não é crer em Deus. È SABER que Ele existe e está presente em nossa vida todo o tempo. Deus não se afasta de nós, nós é que nos afastamos Dele, através da desarmonia de ações, de energia e de valores. Aquele que realmente tem fé treme e balança, mas não cai: ”Filho de Umbanda balança, mas não cai”. Essa frase de um Ponto histórico, conhecido por, provavelmente, todos os Terreiros existentes no Brasil, dá uma demonstração do que significa a fé para um Umbandista. Mesmo nas horas mais difíceis da vida ele se vale de suas entidades e, sobretudo, de Deus (Olorum, Zambi, Obatalá, Tupã) e quando percebe já ultrapassou aqueles momentos que considerava impossíveis de superar. Essa é a Fé que diferencia e que resguarda dos malefícios do mundo.