segunda-feira, 28 de setembro de 2009

ESTUDANDO A UMBANDA...2

I. PRINCÍPIOS BÁSICOS DA RITUALÍSTICA DA UMBANDA
No dia 16 de Novembro de 1908, os princípios básicos da ritualística da Umbanda foram ditados por Pai Antônio, Preto Velho que também usava o médium Zélio Fernandino de Moraes. Estas regras se dividem em:

ESSENCIAIS
NÃO COBRANÇA: seguindo o que está no Evangelho “Dê de graça aquilo que de graça recebeste”. Ou seja a Caridade pura e simples.
AUSÊNCIA DE SACRIFÍCIOS: O sacrifício de Jesus, veio tornar incruentas as religiões Cristãs. A morte de Cristo simboliza os sacrifícios que devemos fazer para nos desvincularmos de nossos desejos materiais e nos preocuparmos com nossa vida Espiritual.
USO DO BRANCO: Uma das formas de igualar todos os participantes das sessões de Umbanda. Essa vestimenta evita que alguns médiuns, com maior poder aquisitivo, se vista de maneira mais luxuosa que outros irmãos de menor poder aquisitivo.
PÉ NO CHÃO: Por um lado essa regra complementa a anterior, indo além ao comparar o médium com os Pretos Velhos e os Caboclos que em sua encarnação, na Terra, não usavam calçados; além disso faz com que o médium fique em contato com o solo o que facilita a captação e transmissão energética.
Essas são conhecidas também como regras básicas, exigíveis ou, ainda, estruturais da religião. Todas direcionando a Umbanda para a HUMILDADE a IGUALDADE e a CARIDADE.

HISTÓRICO, CONJUNTURAL OU ACESSÓRIO
NÃO USO DO ATABAQUE: O atabaque, usado pelas antigas seitas africanas, era vinculado à magia negra, à feitiçaria e, por isso mesmo, todos os rituais que o utilizavam eram condenados como ritos para o mal.
Um dos principais motivos que levou as entidades que anunciaram o advento da Umbanda a proibir seu uso, na Umbanda, foi distingui-la dessas seitas que já existiam nas terras brasileiras e que então eram conhecidas como magia negra ou feitiçaria. Além do mais, como a Igreja Católica perseguia os Terreiros, em conivência com a polícia, o atabaque era uma forma de identificação do lugar onde eles estavam localizados facilitando a repressão policial. Nessa época, vários terreiros foram destruídos, suas imagens quebradas e seus freqüentadores presos. Esses dois fatos, que se referem ao momento em que a Umbanda surgiu foram os responsáveis pela proibição de seu uso. Por isso o chamamos de histórico ou conjuntural, pois, na verdade o seu uso em nada afeta os demais quesitos, os chamados Essenciais, não descaracterizando, por isso mesmo a Umbanda.

Nenhum comentário: